Antes do Procedimento de Embolização
Antes do Procedimento
Durante o Procedimento de Embolização
Durante
Após o Procedimento de Embolização
Depois

O que é?

Os miomas são tumores benignos que se desenvolvem geralmente a partir da produção de estrogênio. Estatísticas revelam que até 50% das mulheres têm ou terão miomas em algum período de suas vidas.  Podem se localizar na parte interna do útero, os chamados miomas submucosos, na parede externa do útero, os miomas subserosos, ou no interior da parede do útero,  definindo os miomas intramurais.

Causas

A causa exata do desenvolvimento de miomas é desconhecida. No entanto, seu crescimento tem sido vinculado ao hormônio estrogênio. Se a mulher com o mioma continuar menstruando, o mioma continuará crescendo lentamente. Mas vale lembrar que como regra geral miomas uterinos não têm chance de se tornarem malignos.

Sintomas

Os miomas podem causar dores, cólicas, sangramento excessivo, perda espontânea de urina, dor durante as relações sexuais, prisão de ventre, dificuldade de engravidar ou manter uma gestação entre diversos outros sintomas. São responsáveis por diminuir significativamente a qualidade de vida de inúmeras mulheres.

Diagnóstico

O especialista realizará uma ultrassonografia para constatar a presença de miomas e uma possível alteração no formato do útero. Outro exame, utilizado para estudar o útero e suas características, é a ressonância magnética pélvica.

Em alguns casos, uma biópsia endometrial (biópsia da mucosa uterina) ou laparoscopia podem ser necessárias para excluir a possibilidade de câncer.

Tratamentos

A miomatose uterina pode ser tratada por cirurgia aberta convencional, cirurgia laparoscópica ou por técnicas endovasculares mediante a realização de embolização.

Em alguns casos, pode ser indicada a retirada de todo o útero, cirurgia denominada de histerectomia. A escolha do método a ser realizado é definida pelo médico e o paciente.

A embolização uterina é um método inovador de tratamento dos miomas. Uma vez que o mioma é nutrido por sangue proveniente de uma artéria, a oclusão desta artéria interrompe o suprimento de sangue ao tumor, causando a sua degeneração.

A técnica é minimamente invasiva, ou seja, é realizada sob anestesia local e sem cortes. Consiste em um pequeno furo na virilha, de 2mm, por onde são inseridos todos os catéteres com os quais será realizado o procedimento.

Guiado por um equipamento de radioscopia digital, o cirurgião endovascular leva estes cateteres até a artéria que está nutrindo o tumor e nela são injetadas partículas que provocam sua oclusão, interrompendo o fluxo que alimenta a embolização uterina. Desta forma, o mioma se degenera e os sintomas regridem. Não há cicatrizes ou comprometimento estético. Há inúmeros cirurgiões vasculares habilitados e treinados para realização do procedimento de embolização uterina. Esses pacientes devem ser acompanhando conjuntamente com um ginecologista.

Ressonância Nuclear Magnética: Miomas Uterinos e suas Classificações

Ressonância Nuclear Magnética: Miomas Uterinos e suas Classificações

Imagem Pré-Embolização

Imagem Pré-Embolização

Imagem Pós-Embolização

Imagem Pós-Embolização