Autores: Marcela Juliano Silva; Cynthia de Almeida Mendes; Sergio Kuzniec; Mariana Krutman; Nelson Wolosker

Instituição: Hospital Israelita Albert Einstein – São Paulo

Resumo: A ocorrência de embolia pulmonar (PE) assintomática em pacientes com trombose venosa profunda (TVP) foi descrita por Kistner et al., na década de 1970, e sua incidência relatada excede 70%, mesmo nos casos de trombose venosa profunda distal. Relatamos o caso de uma paciente com diagnóstico de TVP no membro inferior esquerdo associado a PE assintomática diagnosticada por angiotomografia durante a internação e apresentou sintomas tardios devido a essa mesma PE. A ausência de sintomas agudos e o surgimento de sintomas tardios podem suscitar dúvidas quanto ao tratamento mais adequado e resultar em intervenções desnecessárias, como o filtro de Veia Cava Inferior (VCI) se o diagnóstico tomográfico de embolia pulmonar não tiver sido feito anteriormente. Em estudo de Krutman et al., realizado em 2016, em um grupo de 52 pacientes com TVP aguda de membros inferiores sem sintomas respiratórios, foi demonstrada a presença de EP em 72,7% dos pacientes com TVP proximal e 73,7% na TVP distal. Na maioria dos casos (68%), esses êmbolos envolvem segmentos maiores das artérias pulmonares e em 32% afetam as artérias subsegmentares. No presente caso, demonstramos que uma angiotomografia no momento do diagnóstico de TVP diagnosticou com precisão a embolia pulmonar e poderia evitar qualquer interpretação incorreta da PE recorrente, o que, por engano, demonstraria uma falha na terapia anticoagulante. Essa situação pode levar a intervenções desnecessárias, como o implante de filtro de veia cava inferior.

Moderador: Dr. Mariano Gomes da Silva Filho