Aneurisma da Aorta Abdominal (AAA)

Aneurisma de aorta abdominal

Aneurisma é uma palavra derivada do grego que significa alargamento, sendo utilizada em medicina para designar uma dilatação permanente de um vaso do organismo. Considera-se como aneurisma quando a dilatação está 50% acima do tamanho normal para aquele vaso.

Esta dilatação ocorre em virtude de vários fatores, dentre eles a degeneração de estruturas que compõem o vaso, como proteínas chamadas de colágeno e elastina, presentes na parede da artéria, o que faz com que o vaso perca elasticidade e resistência, desta forma aumentando o seu tamanho progressivamente.

PREVALÊNCIA

Quando localizados na aorta (o principal vaso arterial do corpo humano), podem ser encontrados em cerca de 2% da população acima de 50 anos, 5% em homens com mais de 70 anos e 20% em irmãos de pessoas que têm diagnóstico de aneurisma.

Os principais fatores de risco são tabagismo, pressão alta e histórico familiar de aneurisma.

Menos frequentes, mas não raros, são os aneurismas periféricos (localizados nas outras artérias do corpo), se destacando os da artéria localizada atrás do joelho (chamada artéria poplítea) e que corresponde a 70% dos aneurismas periféricos – e podem se manifestar juntamente ao aneurisma de aorta.

QUADRO CLÍNICO

A maioria dos aneurismas de aorta não apresenta qualquer manifestação clínica. Estes aneurismas assintomáticos são encontrados ocasionalmente durante o exame médico de rotina de palpação do abdome, mais perceptível se o paciente for magro.

Como a aorta se dilata progressivamente, ela pode comprimir outros órgãos que estão em contato com ela – o que pode provocar sintomas:

Duodeno, causando vômitos.

  • Veia cava inferior, gerando trombose venosa.
  • Ureter, causando obstrução da passagem de urina do rim até a bexiga, provocando falência renal.

São complicações próprias destes aneurismas:

  • Trombose: oclusão do vaso.
  • Embolia: desprendimento de coágulos que se formam dentro do aneurisma e caem na circulação, provocando entupimento de artérias dos membros inferiores.
  • Dor abdominal, localizada no aneurisma.
  • Rotura: a mais comum das complicações, resultando em sangramento (hemorragia) intra-abdominal.

HISTÓRIA NATURAL

A tendência natural dos aneurismas de aorta é o crescimento lento e progressivo, que ocorre em 80% dos casos, mantendo o diâmetro estável nos restantes.

Os aneurismas nunca diminuem de tamanho

A complicação mais frequente é a ROTURA. Esta é uma situação de extrema gravidade devido à perda de sangue dentro do abdome. Quando ocorre a rotura de um aneurisma de aorta, 50% dos pacientes não conseguem chegar ao hospital, e apenas 50% dos que chegam e são operados sobrevivem ao evento.

A medida do tamanho e do ritmo de crescimento dos aneurismas nos oferecem dados que ajudam a definir quais são os com maior risco de rotura.

Estudos científicos demonstram que aneurismas de aorta abdominal com diâmetro maior que 5 cm apresentam risco de rotura maior que 10% ao ano, e menores que 5 cm apresentam risco de rotura menor que 5% ao ano.

Durante as consultas de acompanhamento, um aumento de diâmetro superior a 0,5 cm em 6 meses é também um indicativo de possibilidade de rotura, o que já pode indicar a necessidade de uma cirurgia.

DIAGNÓSTICO

Alguns aneurismas (poucos) são detectados ao exame clínico ou em radiografia simples de abdome.

Ultrassonografia é o exame de escolha para o estudo dos aneurismas. É um exame rápido, indolor e simples que permite a medida precisa de sua extensão e diâmetro.

Quando detalhes minuciosos são necessários, Tomografia Computadorizada ou Ressonância Nuclear Magnética podem ser utilizadas.

TRATAMENTO CLÍNICO

Consiste no controle dos fatores de risco e acompanhamento do tamanho do aneurisma.

Controle dos fatores de risco:

  • Interrupção do tabagismo.
  • Controle da pressão alta.
  • Controle do colesterol alto.

Acompanhamento do tamanho do aneurisma por:

  • Ultrassonografia.
  • Tomografia Computadorizada.
  • Ressonância Magnética.

O tratamento clínico não leva à regressão do aneurisma e, dificilmente, impede a dilatação progressiva. Deve ser instaurado em todos os pacientes, pois é preciso monitorar o seu crescimento. Havendo aumento significativo de seu tamanho, deve ser indicada a cirurgia.

TRATAMENTO CIRÚRGICO CONVENCIONAL

Uma vez que a pior (e mais comum) complicação de um aneurisma de aorta é a sua rotura (e possivelmente morte por hemorragia intra-abdominal), o objetivo de uma cirurgia é justamente evitar que a dilatação chegue a esse ponto. Ela consiste em substituir o segmento dilatado da artéria por uma prótese, constituída por tecido sintético (geralmente de poliéster).

Por meio de um corte no abdome, o aneurisma é manuseado diretamente, a passagem de sangue pelas artérias é temporariamente interrompida e a prótese é costurada nos segmentos normais da aorta logo acima e abaixo da porção dilatada. O fluxo é restabelecido por este novo caminho, evitando o aneurisma, que é retirado.

Após a cirurgia, a maioria dos pacientes é monitorada em UTI por 24 a 48 horas e o tempo médio de internação varia de 5 a 7 dias.

TRATAMENTO ENDOVASCULAR

Por meio de uma técnica semelhante a um cateterismo, que consiste na inserção de uma prótese pela artéria femoral (localizada na virilha) e levada por dentro dos vasos até o aneurisma no abdome, sendo visualizada dentro do corpo pelos aparelhos especiais de raios-X.

Esta técnica é menos invasiva (pois não envolve cortar o abdome) e oferece menos tempo de internação. Não pode ser utilizada em todos os casos devido às  variações da anatomia que existem entre as pessoas, sendo que o cirurgião vascular pode indicar o melhor tratamento para cada paciente, sempre com o intuito de trazer menor risco e maior benefício para a saúde.

Assim como no tratamento convencional, pacientes tratados por aneurisma de aorta precisam de acompanhamento por toda a vida, com exames de imagem para avaliar o resultado em longo prazo do tratamento.

Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular – Regional São Paulo – Departamentos e Comissões
https://sbacvsp.com.br/departamentos-e-comissoes/

Doenças Vasculares

  • Aneurisma de Aorta

Aneurisma da Aorta

Aneurisma da Aorta Aneurisma é uma palavra derivada do grego que significa alargamento, sendo utilizada em medicina para designar uma dilatação permanente do diâmetro de um vaso do organismo. Considera-se [...]

  • Esquema da cadeia simpática dentro do tórax

Hiperidrose

Hiperidrose Hiperidrose é uma doença em que os pacientes suam excessivamente, mais do que as necessidades naturais do corpo. Não é conhecido o mecanismo que causa este excesso de suor nem [...]

  • Varizes

Varizes

Varizes São as diversas formas como os profissionais de saúde conseguem obter acesso ao nosso sistema circulatório. Usados há muito tempo na Medicina, eles vêm evoluindo juntamente com ela, não [...]

Úlcera Venosa

Úlcera Venosa A úlcera venosa (também conhecida como úlcera varicosa) é caracterizada por uma ferida na perna, próxima ao tornozelo, que ocorre devido à dificuldade do retorno do sangue das [...]

  • Figura 1 - Compressão de veia renal esquerda pela artéria mesentérica superior (A) e pela aorta, em veia renal retro-aórtica (B).

Síndromes Venosas Obstrutivas Abdominopélvicas

Síndromes Venosas Obstrutivas Abdominopélvicas Síndrome de Nutcraker (ou de Quebra-Nozes), Síndrome de May-Thurner, Síndrome de Cockett As Síndromes Venosas Obstrutivas são sinais e sintomas clínicos relacionados a impedimentos ou obstruções ao [...]

Lipedema

Lipedema O que é? O lipedema é uma doença crônica e progressiva caracterizada pela deposição anormal de gordura em membros inferiores e, às vezes, pode acometer membros superiores. Atinge quase que [...]

  • Lipedema

Linfedema

Linfedema O sistema linfático é considerado, por muitos fisiologistas, como uma via de absorção e transporte, pela  qual, o conteúdo líquido presente no espaço intersticial (entre as células), da grande [...]

  • Laser Transdérmico

Fleboestética

Fleboestética Palavra derivada do grego: phlebos = veia, vaso sanguíneo e aisthesis = ”apreensão pelos sentidos” e “percepção”. Essa é a área da Angiologia e Cirurgia Vascular que se dedica ao tratamento [...]

Embolia Pulmonar

Embolia Pulmonar Ocorre quando um trombo (coágulo) se desloca de veias profundas, geralmente dos membros inferiores, e vai pela corrente sanguínea até o pulmão, causando o bloqueio (embolia) de artérias pulmonares. [...]

Curativos

Curativos Na pré-história, existia uma preocupação com as feridas, e o fato de deixá-las abertas, materiais como plantas, água, neve, gelo, frutas e até lama eram utilizados sobre as feridas, a [...]

  • Figura 1 - Aneurismas Viscerais

Aneurismas Viscerais e Periféricos

Aneurismas Viscerais Aneurismas viscerais são dilatações das artérias que levam sangue para as vísceras, ou seja, artérias dos rins, do fígado, do baço, do intestino, entre outras. São aneurismas nas artérias [...]

  • Aneurisma de aorta abdominal

Aneurisma da Aorta Abdominal (AAA)

Aneurisma da Aorta Abdominal (AAA) Aneurisma é uma palavra derivada do grego que significa alargamento, sendo utilizada em medicina para designar uma dilatação permanente de um vaso do organismo. Considera-se [...]

  • URGÊNCIAS:EMERGÊNCIAS VASCULARES

Urgências / Emergências Vasculares

Urgências / Emergências Vasculares O sistema vascular assume papel primordial na distribuição de sangue, oxigênio e nutrientes para todos os órgãos e sistemas de nosso corpo. Possuímos aproximadamente 5 [...]

Doppler Vascular

ACESSOS VASCULARES DOPPLER VASCULAR O QUE É? Compreende uma série de exames diagnósticos utilizando um aparelho de ultrassonografia. É indolor, não invasivo, sem necessidade de exposição à radiação (raio-X). [...]

Tratamento Endovascular

TRATAMENTO ENDOVASCULAR Há vários problemas da circulação do ser humano que necessitam de procedimentos cirúrgicos, tais como as tromboses, dilatações, dissecções (descolamento das camadas da parede dos vasos sanguíneos). [...]

  • Fig 1 – Tipos de mioma

Embolização de Mioma Uterino

EMBOLIZAÇÃO DE MIOMA UTERINO O que é? (Definição) Os miomas são tumores benignos que se desenvolvem geralmente a partir da produção de estrogênio. Estatísticas revelam que até 50% das mulheres têm [...]

  • Cateteres Venosos

Cateteres Venosos

CATETERES VENOSOS O QUE É UM CATETER? É um tubo que é colocado dentro da veia do paciente para administrar líquidos, sangue, medicamentos ou para fazer exames médicos. QUAIS OS TIPOS [...]

Fístula Arteriovenosa para Hemodiálise

FÍSTULA ARTERIOVENOSA PARA HEMODIÁLISE A fístula arteriovenosa (FAV) é realizada nos pacientes portadores de doença renal crônica, ou seja, quando a função renal se deteriora e não efetua adequadamente a eliminação [...]

Acessos Vasculares

ACESSOS VASCULARES São as diversas formas como os profissionais de saúde conseguem obter acesso ao nosso sistema circulatório. Usados há muito tempo na Medicina, eles vêm evoluindo juntamente com ela, [...]

Trombose Venosa Profunda (TVP)

Trombose Venosa Profunda (TVP) A coagulação é um processo da natureza, quando o sangue deixa sua forma líquida e se torna gelatinoso (chamado de coágulo ou trombo). A coagulação faz [...]

  • pe-diabetico

Pé Diabético

Pé Diabético O diabetes é causado pela produção insuficiente de insulina no pâncreas, ou por aumento da resistência dos órgãos a este hormônio, que é essencial para que o açúcar [...]

Doença Carotídea

Estenose de Carótida As carótidas são artérias que levam sangue rico em oxigênio e nutrientes para o cérebro. Cada indivíduo tem duas artérias carótidas, que se localizam uma de [...]