Questionário para traçar o perfil de especialistas brasileiros que realizam a profilaxia de tromboembolismo venoso em cirurgia de varizes

2019-09-09T10:56:41-03:00Área do Associado|

Com o apoio da SBACV e do Fórum Vascular, este questionário anônimo tem o objetivo de traçar o perfil de como os especialistas brasileiros realizam a profilaxia de tromboembolismo venoso em cirurgia de varizes e alguns detalhes técnicos relacionados a este procedimento.

Você possivelmente levará menos de 2 minutos para participar e esclarecemos que este projeto tem finalidade científica, sendo que os dados e informações individuais são anônimos e permanecerão em sigilo.

Agradecemos desde já a atenção e o apoio dispensados.

Alcides José Araújo Ribeiro – Diretor Científico da SBACV-DF
Marcos Arêas Marques – Vice Diretor Científico da SBACV-RJ

Proposta de Associados

2021-01-26T13:15:53-03:00Área do Associado|

Proposta de Associados

Apresentamos as normas para ingresso na SBACV e estimulamos os membros aspirantes e efetivos a se mobilizarem para uma possível mudança de categoria.

  • Para se tornar Aspirante, Pleno ou Efetivo, após preencher a documentação, entregue-a em sua regional.
  • Para se tornar Titular, envie a documentação para a SBACV Nacional, com sede em São Paulo.
  • Para se tornar Aspirante, Pleno ou Efetivo, após preencher a documentação, entregue-a em sua regional.
  • Para se tornar Titular, envie a documentação para a SBACV Nacional, com sede em São Paulo.

Para tornar-se Aspirante:

  1. Poderão ser membros Aspirantes os médicos, interessados nos objetivos da SBACV, que apresentarem à Regional da SBACV da Unidade da Federação (UF) onde o candidato exerce sua atividade profissional, ou, não havendo, à mais próxima, solicitação assinada, com cópia do Curriculum Vitae, juntamente com cópia do RG, cópia autenticada do diploma de médico e comprovante de inscrição no Conselho Regional de Medicina.

Preencher duas vias da proposta de sócio aspirante e também duas vias da proposta para solicitação de desconto-aspirante. E acrescentar os seguintes documentos, todos são indispensáveis:

  • Cópia simples do Curriculum Vitae;
  • Cópia simples do RG;
  • Cópia simples do CPF;
  • Cópia simples da Carteirinha do CRM;
  • Declaração do período de residência médica ou estágio (este último reconhecido pela SBACV), emitida pela instituição de ensino assinada e carimbada pelo responsável – deve estar cursando a residência médica ou estágio;
  • Cópia autenticada do diploma de médico.

Por favor, escreva logo acima do subtítulo – para tornar-se aspirante.

  • Anexar 2 fotos 3×4 em todas as propostas para sócios.

Os Aspirantes para progredirem a Pleno, devem preencher os seguintes requisitos cumulativamente:

  1. Estar regularmente inscrito no Conselho Regional de Medicina (CRM) do Estado onde exerça sua atividade profissional, encaminhando cópia do registro;
  2. Participar das atividades da SBACV, na condição de aspirante, por pelo menos três anos, podendo ser somados períodos;
  3. Apresentar o formulário de associação em duas vias e assinadas por dois associados da SBACV pertencentes a categoria Efetivo ou Titular;
  4. Ter completado residência médica ou curso de especialização reconhecido pela SBACV, nas especialidades ou áreas objetivos da associação, anexando o comprovante à proposta;
  5. Anexar à proposta de associação duas cópias do RG, CPF e do diploma de médico;
  6. Apresentar e ter sua proposta de associação aprovada pela regional da SBACV correspondente, estando quite com a tesouraria da SBACV.

Já para se tornar Efetivo será preciso:

  1. Ser associado da SBACV na categoria Pleno por pelo menos dois anos, contados a partir da aprovação do ingresso ou ter participado das atividades da SBACV como Aspirante por pelo menos três anos;
  2. Estar regularmente inscrito no Conselho Regional de Medicina do Estado onde exerçam sua atividade e ser associado da Associação Médica Brasileira – AMB;
  3. Possuir o título de especialista em Angiologia e/ou Cirurgia Vascular;
  4. Apresentar e ter sua proposta de progressão de categoria perante a Regional da SBACV correspondente, nos termos do Estatuto Social, estando quites com a tesouraria da SBACV na data de apresentação e aprovação da proposta.

Por fim, para se tornar Titular é preciso:

  1. Ser associado Efetivo há pelo menos três anos;
  2. Apresentar artigo original ao JVB, sendo aceito para publicação ou publicado há no máximo seis meses da data da proposta, na qualidade de primeiro autor; ou monografia original não publicada sobre tema da especialidade; ou título de livre-docência ou de doutor obtido em instituição de ensino superior reconhecido pelo MEC; ou ainda que acumular 100 pontos nos cinco anos que antecederam ao pedido de progressão em eventos de educação médica continuada nas especialidades e área de atuação da SBACV, de acordo com normas do CNA;
  3. Apresentar e ter sua proposta de progressão para esta categoria aprovada pela diretoria nacional da SBACV, estando quite com a tesouraria da SBACV.

Clique nos links abaixo para fazer o download dos documentos:

4º Prêmio Dr. Emil Burihan

2018-10-05T11:54:53-03:00Área do Associado, Prêmios|

REGULAMENTO – PRÊMIO DR. EMIL BURIHAN RESIDENTE PESQUISADOR

PROJETO

Este projeto visa incentivar as pesquisas científicas de jovens médicos vasculares de todo o Brasil.

Os trabalhos que participarão da premiação deverão ser inscritos segundo as regras definidas e expostas nesse regulamento. Deverão ser trabalhos produzidos em território nacional, por autor brasileiro, residente/estagiário de um serviço vascular ou especialista recém-formado (máximo 02 anos de formado).

O trabalho não precisa ter um tema específico, mas deve ser ligado à especialidade de angiologia, cirurgia vascular, radiologia vascular ou ultrassonografia vascular.

É necessário ter um residente/estagiário entre os autores principais, que este seja o apresentador do trabalho e ter ao menos 01 associado SBACV como coautor.

PREMIAÇÃO:

  • Categoria única
  • Serão premiados os 03 (três) primeiros lugares:
    • 1º lugar: R$ 5.000,00
    • 2º lugar: R$ 3.000,00
    • 3º lugar: R$ 2.000,00

Os trabalhos inscritos serão avaliados por uma comissão formada por 06 médicos escolhidos pela SBACV-SP.

Atenção: Todos os residentes e estagiários com CRM registrado no Estado de São Paulo e que estiverem listados como autores ou co-autores nos trabalhos, serão automaticamente convidados a se associarem à SBACV – Regional São Paulo sem custos para esta admissão. 

INSCRIÇÃO

 Período de Inscrição Prorrogado: 01/08/18 à 11/10/18

A inscrição deverá ser realizada por email (secretaria@sbacvsp.org.br) e os candidatos deverão encaminhar as seguintes informações:

– Colocar no assunto do email: Inscrição – Prêmio Dr. Emil Burihan.

No corpo do email colocar as seguintes informações:

  1. Nome completo do autor principal com a identificação sobre status atual: residente/estagiário ou especialista com até dois anos de termino da residência ou estágio.
    OBS: estas informações serão checadas.
  2. Nome da instituição ou equipe responsável pela elaboração da pesquisa.
  3. Nome completo de todos os coautores e as respectivas instituições ou equipes.
  4. E-mail e telefone de contato com DDD do autor principal.

Como anexo, encaminhar:

  • O resumo do trabalho em formato Word, tipo de fonte Times New Roman ou Arial, tamanho 12 e máximo de 3.500 caracteres.
  • No corpo do anexo não deve haver nenhuma identificação sobre os autores, instituição ou equipe responsável pelo trabalho.
  • Sugestão de apresentação: Título (obrigatório), objetivo(s), materiais e métodos, resultado(s) e conclusão(es).

DIVULGAÇÃO DO PRÊMIO

Os 03 finalistas serão divulgados no dia 30/10/18 no site da SBACV-SP e cada autor principal será notificado por e-mail.

Os três primeiros colocados, segundo a avaliação da comissão julgadora, deverão realizar uma apresentação oral na última reunião científica da SBACV-SP em 2018, no dia 29/11/18 a partir das 20 horas. Endereço: APM – Associação Paulista de Medicina – Av. Brigadeiro Luiz Antonio, 278 – 9ºandar – Auditório Nobre – Bela Vista – São Paulo – SP.

Os finalistas só serão definidos como 1º, 2º e 3º lugares no dia da apresentação, a que se seguirá a entrega da premiação. Cada apresentação terá duração máxima de 20 minutos.

Comissão Julgadora do Prêmio Dr Emil Burihan.
São Paulo, 01 de agosto de 2018.

Realização

Sociedade Brasileira de Amgiologia e de Cirurgia Vascular - Regional São Paulo
  • Premio Dr. Emil Burihan

3º Prêmio Emil Burihan

2018-06-13T14:44:21-03:00Área do Associado, Prêmios|

REGULAMENTO – PRÊMIO DR. EMIL BURIHAN RESIDENTE PESQUISADOR

PROJETO

Este projeto visa incentivar as pesquisas científicas de jovens médicos vasculares de todo o Brasil.

Os trabalhos que participarão da premiação deverão ser inscritos segundo as regras definidas e expostas nesse regulamento. Deverão ser trabalhos produzidos em território nacional, por autor brasileiro, residente/estagiário de um serviço vascular ou especialista recém-formado (máximo 02 anos de formado).

O trabalho não precisa ter um tema específico, mas deve ser ligado à especialidade de angiologia, cirurgia vascular, radiologia vascular ou ultrassonografia vascular.

É necessário ter um residente/estagiário entre os autores principais, que este seja o apresentador do trabalho e ter ao menos 01 associado SBACV como coautor.

PREMIAÇÃO:

  • Categoria única
  • Serão premiados os 03 (três) primeiros lugares:
    • 1º lugar: R$ 5.000,00
    • 2º lugar: R$ 3.000,00
    • 3º lugar: R$ 2.000,00

Os trabalhos inscritos serão avaliados por uma comissão formada por 06 médicos escolhidos pela SBACV-SP.

Atenção: Todos os residentes e estagiários com CRM registrado no Estado de São Paulo e que estiverem listados como autores ou co-autores nos trabalhos, serão automaticamente convidados a se associarem à SBACV – Regional São Paulo sem custos para esta admissão. 

INSCRIÇÃO

 Período de Inscrição: 01/08/17 à 01/11/17

A inscrição deverá ser realizada por email (secretaria@sbacvsp.org.br) e os candidatos deverão encaminhar as seguintes informações:

– Colocar no assunto do email: Inscrição – Prêmio Dr. Emil Burihan.

No corpo do email colocar as seguintes informações:

  • Nome completo do autor principal com a identificação sobre status atual: residente/estagiário ou especialista com até dois anos de termino da residência ou estágio.

OBS: estas informações serão checadas.

  • Nome da instituição ou equipe responsável pela elaboração da pesquisa.
  • Nome completo de todos os coautores e as respectivas instituições ou equipes.
  • E-mail e telefone de contato com DDD do autor principal.

Como anexo, encaminhar:

  • O resumo do trabalho em formato Word, tipo de fonte Times New Roman ou Arial, tamanho 12 e máximo de 3.500 caracteres.
  • No corpo do anexo não deve haver nenhuma identificação sobre os autores, instituição ou equipe responsável pelo trabalho.
  • Sugestão de apresentação: Título (obrigatório), objetivo(s), materiais e métodos, resultado(s) e conclusão(es).

DIVULGAÇÃO DO PRÊMIO

Os 03 finalistas serão divulgados no dia16/11/17 no site da SBACV-SP e cada autor principal será notificado por e-mail.

Os três primeiros colocados, segundo a avaliação da comissão julgadora, deverão realizar uma apresentação oral na última reunião científica da SBACV-SP em 2016, no dia 30/11/17 a partir das 20 horas. Endereço: IAMSPE/HSPE (Prédio da Administração) – Av. Ibirapuera, 981 – Sala 102 – 1º andar.

Os finalistas só serão definidos como 1º, 2º e 3º lugares no dia da apresentação, a que se seguirá a entrega da premiação. Cada apresentação terá duração máxima de 20 minutos.

Comissão Julgadora do Prêmio Dr Emil Burihan.
São Paulo, 24 de julho de 2017.

Realização

Sociedade Brasileira de Amgiologia e de Cirurgia Vascular - Regional São Paulo

Máscaras Procedimentos Vasculares AMB/SBACV

2018-06-18T00:10:42-03:00Procedimentos Listados e Códigos Relacionados|

Máscaras Procedimentos Endovasculares AMB/SBACV

2018-06-18T00:13:19-03:00Procedimentos Listados e Códigos Relacionados|

Faça o download do arquivo do WORD escolhido, preencha com os dados do seu próprio paciente. Envie este documento à operadora de saúde para liberação das cirurgias endovasculares.

Lista de Procedimentos Vasculares: Materiais Sugeridos/Pertinentes

2018-07-16T22:19:25-03:00Procedimentos Listados e Códigos Relacionados|

BAIXE AQUI A LISTA COMPLETA DOS PROCEDIMENTOS:  

 

Nome Procedimento Arteriografia de membro inferior não seletiva
Descrição do procedimento Procedimento realizado com punção da artéria femoral percutânea
CIDs do Procedimento A abrangência é muito ampla, devendo ser justificada pelo médico.
Indicação A abrangência é muito ampla, devendo ser justificada pelo médico.
Caráter da Indicação Eletiva Sim Urgência Sim
Contra-Indicação Sem condições clínicas do tratamento
Exames da Indicação
Códigos TUSS Descrição Código
4.08.12.02-2 Angiografia por punção Principal
OPMEs Descrição Quantidade
Agulha de punção 1
Introdutor vascular 1
Internação Dias UTI 1 dia Quarto 2 dias
Anestesia Sim X Não
Equipamentos Especiais Equipamento de angiografia digital, bomba injetora de contraste
Resolutividade Método diagnóstico
Seguimento Não relacionado
Rastreabilidade Não
Comentários

 

Nome Procedimento Arteriografia de membro inferior seletiva
Descrição do procedimento Procedimento realizado com colocação seletiva do cateter na artéria femoral
CIDs do Procedimento A abrangência é muito ampla, devendo ser justificada pelo médico.
Indicação A abrangência é muito ampla, devendo ser justificada pelo médico.
Caráter da Indicação Eletiva Sim Urgência Sim
Contra-Indicação Sem condições clínicas do tratamento
Exames da Indicação
Códigos TUSS Descrição Código
4.08.12.04-9 Angiografia por cateterismo seletivo de ramo primário- por vaso Principal
OPMEs Descrição Quantidade
Agulha de punção 1
Introdutor vascular 1
Cateter diagnóstico 1
Fio guia hidrofílico 1
Internação Dias UTI 1 dia Quarto 2 dias
Anestesia Sim X Não
Equipamentos Especiais Equipamento de angiografia digital, bomba injetora de contraste
Resolutividade Método diagnóstico
Seguimento Não relacionado
Rastreabilidade Não
Comentários

 

Nome Procedimento Arteriografia dos membros superiores
Descrição do procedimento Procedimento realizado com punção arterial e colocação de cateter na origem da subclávia e depois seletivamente no membro superior.
CIDs do Procedimento A abrangência é muito ampla, devendo ser justificada pelo médico.
Indicação A abrangência é muito ampla, devendo ser justificada pelo médico.
Caráter da Indicação Eletiva Sim Urgência Sim
Contra-Indicação
Exames da Indicação
Códigos TUSS Descrição Código
4.08.12.03-0 Angiografia por cateterismo não seletivo de grande vaso Principal
4.08.12.04-9 Angiografia por cateterismo seletivo de ramo primário- por vaso Secundário
OPMEs Descrição Quantidade
Agulha de punção 1
Introdutor 1
Fio guia hidrofílico 1
Cateter diagnóstico 2
Internação Dias UTI 1 dia Quarto 2 dias
Anestesia Sim X Não
Equipamentos Especiais Equipamento de angiografia digital, bomba injetora de contraste
Resolutividade Método diagnóstico
Seguimento Não relacionado
Rastreabilidade Não
Comentários

 

Nome Procedimento Aortografia Abdominal e arteriografia de membros inferiores
Descrição do procedimento Procedimento realizado com punção arterial e colocação de cateter na aorta e membros inferiores, além da seletivação das artérias ilíacas.
CIDs do Procedimento A abrangência é muito ampla, devendo ser justificada pelo médico.
Indicação A abrangência é muito ampla, devendo ser justificada pelo médico.
Caráter da Indicação Eletiva Sim Urgência Sim
Contra-Indicação
Exames da Indicação
Códigos TUSS Descrição Código
4.08.12.03-0 Angiografia por cateterismo não seletivo de grande vaso Principal
4.08.12.04-9 Angiografia por cateterismo seletivo de ramo primário- por vaso Secundário
4.08.12.04-9 Angiografia por cateterismo seletivo de ramo primário- por vaso Secundário
4.08.12.04-9 Angiografia por cateterismo seletivo de ramo primário- por vaso Secundário
OPMEs Descrição Quantidade
Agulha de punção 1
Introdutor 1
Fio guia hidrofílico 1
Cateter diagnóstico 2
Internação Dias UTI 1 dia Quarto 2 dias
Anestesia Sim X Não
Equipamentos Especiais Equipamento de angiografia digital, bomba injetora de contraste
Resolutividade Método diagnóstico
Seguimento Não relacionado
Rastreabilidade Não
Comentários

 

Nome Procedimento Aortografia Abdominal e ramos viscerais
Descrição do procedimento Procedimento realizado com punção arterial e colocação de cateter na aorta e os ramos viscerais alvo – por vaso. Como exemplo: aorto + renais è 2 códigos seletivos; aorto + artérias digestivas è 3 códigos seletivos
CIDs do Procedimento A abrangência é muito ampla, devendo ser justificada pelo médico.
Indicação A abrangência é muito ampla, devendo ser justificada pelo médico.
Caráter da Indicação Eletiva Sim Urgência Sim
Contra-Indicação
Exames da Indicação
Códigos TUSS Descrição Código
4.08.12.03-0 Angiografia por cateterismo não seletivo de grande vaso Principal
4.08.12.04-9 Angiografia por cateterismo seletivo de ramo primário- por vaso Secundário
OPMEs Descrição Quantidade
Agulha de punção 1
Introdutor 1
Fio guia hidrofílico 1
Cateter diagnóstico 2
Internação Dias UTI 1 dia Quarto 2 dias
Anestesia Sim X Não
Equipamentos Especiais Equipamento de angiografia digital, bomba injetora de contraste
Resolutividade Método diagnóstico
Seguimento Não relacionado
Rastreabilidade Não
Comentários

 

Nome Procedimento Arteriografia super seletiva por órgão ou região
Descrição do procedimento Procedimento realizado com punção arterial e colocação de cateter na aorta e os ramos viscerais alvo – por vaso e super seletivo em ramos secundário ou distal para estudo angiográfico. Como exemplo: aorto + renal direita e ramo segmentar superior renal direita
CIDs do Procedimento A abrangência é muito ampla, devendo ser justificada pelo médico.
Indicação A abrangência é muito ampla, devendo ser justificada pelo médico.
Caráter da Indicação Eletiva Sim Urgência Sim
Contra-Indicação
Exames da Indicação
Códigos TUSS Descrição Código
4.08.12.03-0 Angiografia por cateterismo não seletivo de grande vaso Principal
4.08.12.04-9 Angiografia por cateterismo seletivo de ramo primário- por vaso Secundário
4.0812.05-7 Angiografia por cateterismo superseletivo de ramo secundário ou distal – por vaso Secundário
OPMEs Descrição Quantidade
Agulha de punção 1
Introdutor 1
Fio guia hidrofílico 1
Cateter diagnóstico 2
Fio guia de menor diâmetro que 035 1
Microcateter 1
Internação Dias UTI 1 dia Quarto 2 dias
Anestesia Sim X Não
Equipamentos Especiais Equipamento de angiografia digital, bomba injetora de contraste
Resolutividade Método diagnóstico
Seguimento Não relacionado
Rastreabilidade Não
Comentários

 

Nome Procedimento Angiografia do Arco Aórtico e aorta torácica descendente
Descrição do procedimento Procedimento realizado com punção arterial e colocação de cateter na aorta ascendente e depois na aorta descendente.
CIDs do Procedimento A abrangência é muito ampla, devendo ser justificada pelo médico.
Indicação A abrangência é muito ampla, devendo ser justificada pelo médico.
Caráter da Indicação Eletiva Sim Urgência Sim
Contra-Indicação
Exames da Indicação
Códigos TUSS Descrição Código
4.08.12.03-0 Angiografia por cateterismo não seletivo de grande vaso Principal
4.08.12.03-0 Angiografia por cateterismo não seletivo de grande vaso Principal
OPMEs Descrição Quantidade
Agulha de punção 1
Introdutor 1
Fio guia hidrofílico 1
Cateter diagnóstico 1
Internação Dias UTI 1 dia Quarto 2 dias
Anestesia Sim X Não
Equipamentos Especiais Equipamento de angiografia digital, bomba injetora de contraste
Resolutividade Método diagnóstico
Seguimento Não relacionado
Rastreabilidade Não
Comentários

 

Nome Procedimento Arco aórtico e angiografia carotídea e vertebral
Descrição do procedimento Procedimento realizado com punção arterial e colocação de cateter na aorta e seletivamente nas carótidas e vertebrais.
CIDs do Procedimento A abrangência é muito ampla, devendo ser justificada pelo médico.
Indicação A abrangência é muito ampla, devendo ser justificada pelo médico.
Caráter da Indicação Eletiva Sim Urgência Sim
Contra-Indicação
Exames da Indicação
Códigos TUSS Descrição Código
4.08.12.03-0 Angiografia por cateterismo não seletivo de grande vaso Principal
4.08.12.04-9 Angiografia por cateterismo seletivo de ramo primário- por vaso Principal
4.08.12.04-9 Angiografia por cateterismo seletivo de ramo primário- por vaso Principal
4.08.12.04-9 Angiografia por cateterismo seletivo de ramo primário- por vaso Principal
4.08.12.04-9 Angiografia por cateterismo seletivo de ramo primário- por vaso Principal
OPMEs Descrição Quantidade
Agulha de punção 1
Introdutor 1
Fio guia hidrofílico 1
Cateter diagnóstico 2
Internação Dias UTI 1 dia Quarto 2 dias
Anestesia Sim X Não
Equipamentos Especiais Equipamento de angiografia digital, bomba injetora de contraste
Resolutividade Método diagnóstico
Seguimento Não relacionado
Rastreabilidade Não
Comentários

 

Nome Procedimento IMPLANTE DE DISPOSITIVO TOTALMENTE IMPLANTÁVEL
Descrição do procedimento Realizado o implante cirúrgico de dispositivo de acesso ao sistema venoso central totalmente implantável
CIDs do Procedimento C82,C83,C85,C91,C92,C95
Indicação A abrangência é muito ampla, devendo ser justificada pelo médico
Caráter da Indicação Urgência não               Eletivo Sim
Contra-Indicação Paciente em instabilidade hemodinâmica
Exames da Indicação A abrangência é muito ampla, devendo ser justificada pelo médico
Códigos TUSS Descrição
30913101 IMPLANTE DE DISPOSITIVO TOTALMENTE IMPLANTÁVEL
40812030 Angiografia por cateterismo não seletivo de grande vaso
40812065 Angiografia transoperatória de posicionamento
OPMEs Descrição Quantidade
Fio guia 01
Dispositivo implantável de acesso (tipo Port-o- cath) 01
Introdutor (camisa)/ Dilatador 01
Dilatador 02
Fio guia hidrofílico 01
Contraste iodo isosmolar ou de baixa osmolaridade 01
Agulha de punção 01
tunelizador 01
Internação Dias UTI – não Quarto 1 dia
Anestesia Sim X Não
Equipamentos Especiais Equipamento de angiografia digital
Resolutividade Alta resolutividade
Seguimento Semestral se assintomático
Rastreabilidade Sim
Comentários Utilização imediata do acesso para procedimento indicado (quimioterapia, infusão de antibióticos, soros ou similares)

 

Nome Procedimento Implante de cateter de longa permanência para NPP, QT OU PARA HEMODEPURAÇÃO
Descrição do procedimento Realizado o implante percutâneo ou cirúrgico de cateteres para acesso ao sistema venoso central
CIDs do Procedimento C02, C06, C14, M86.0 M86.4;N17,N18,C15,C16,C17,C18,C19,C20,C21,C22,C23,C24,C25, C32,C34,C45,C46,C47,C48,C49,C50,C53,C56,C61,C82,C83,C85,C91,C92,C95,Z94.8,
Indicação A abrangência é muito ampla, devendo ser justificada pelo médico..
Caráter da Indicação Urgência SIM                            Eletivo SIM
Contra-Indicação Paciente em instabilidade hemodinâmica
Exames da Indicação A abrangência é muito ampla, devendo ser justificada pelo médico.
Códigos TUSS Descrição
30913012 Implante cirúrgico de cateter de longa permanência para NPP, QT OU PARA HEMODEPURAÇÃO
40812030 Angiografia por cateterismo não seletivo de grande vaso
40812065 Angiografia transoperatória de posicionamento
OPMEs Descrição Quantidade
Fio guia 01
Cateter duplo lumen (tipo Permicath ou tipo Split cath) ou triplo lumen (tipo Shilley) 01
Introdutor (camisa)/ Dilatador 01
Dilatador 02
Fio guia hidrofílico 01
Contraste iodo isosmolar ou de baixa osmolaridade 01
Agulha de punção 01
tunelizador 01
Internação Dias UTI – não Quarto 1 dia
Anestesia Sim X Não
Equpamentos Especiais Equipamento de angiografia digital
Resolutividade Alta resolutividade
Seguimento Semestral se assintomático
Rastreabilidade Sim
Comentários Utilização imediata do acesso para procedimento indicado (hemodiálise, quimioterapia, infusão de antibióticos, soros ou similares)

 

Nome Procedimento Ponte endoluminal femoro-poplítea/ Ponte fêmoro poplítea proximal ou Aneurisma endovascular de femoral, poplítea
Descrição do procedimento Realizado um ou dois acessos vascular, uma angiografia pré-procedimento, a passagem de fio guia pela estenose ou oclusão, realizado uma angioplastia, nova angiografia, e eventual colocação de stent, seguido ou não de nova angioplastia e finalmente uma angiografia pós-procedimento. Serão apresentados todas as opções terapêuticas atuais, e escolhidas conforme a decisão médica.
CIDs do Procedimento I70.2; I70.8; I70.9; I72; I72.4; I72.8; I72.9; I73; I73.1; I73.8; I73.9; I74; I74.3; I74.4; I74.8; I74.9; I77.0; I77.1; I77.2; I77.3
Indicação Doenças ateromatosas, inflamatórias, disgenesias, traumáticas que alteram o lume da artéria, podendo serem estenoses ou oclusões, presença de fístulas ou roturas arteriais e mesmo aneurismas.
Caráter da Indicação Eletiva Sim Urgência Sim
Contra-Indicação Sem condições clínicas do tratamento
Exames da Indicação US Doppler, Tomografia, Ressonância ou Angiografia
Códigos TUSS Descrição Código
3.09.06.29-6 Ponte endoluminal femoro-poplítea/ Ponte fêmoro poplítea proximal Principal
3.09.06.05-9 Aneurisma de femoral, poplítea Principal
3.09.06.11-3 Angioplastia transoperatória da artéria femoral Secundário
3.09.06.11-3 Angioplastia transoperatória da artéria poplítea Secundário
4.08.12.04-9 Angiografias por cateter do membro inferior antes do tratamento endovascular Secundário
4.08.12.04-9 Angiografias por cateter do membro inferior após o tratamento endovascular Secundário
4.08.13.23-1 Punção de veia central, com colocação de cateter venoso Secundário
3.09.06.16-4 Cateterismo da artéria radial para PA continua Secundário
3.09.11.14-1 Estudo ultrassonográfico intravascular(avaliação da luz do vaso, controle expansão de endopróteses pós angioplastias difíceis e suspeitas de dissecção arterial) Secundário
4.09.02.06-4 Doppler colorido intraoperatório(Acesso venoso central, acesso arterial sem pulso, anterógrado, vasos da perna, artérias calcificadas e controle hemodinâmico intraoperatório pós-angioplastia) Secundário
OPMEs Materiais de Rotina Quantidade
Agulha de Punção 1
Introdutor 1 a 2, se acesso anterógrado e retrógrado
Introdutor longo ou contralateral 1, se acesso contralateral ou braquial
Fio guia hidrofílico 1
Fio guia de menor diâmetro 035” 1 fio especial para recanalização-trombose
Fio guia de suporte 1
Cateter diagnostico 2 a 3 curvas podem ser necessárias
Cateter suporte 035, 018, 014” 1 suporte ao fio guia em oclusões
Insuflador de pressão controlada 1
Balão de angioplastia 035, 018 ou 014” 1 a 2, depende do diâmetro do vaso
Balão de angioplastia para pré-dilatação 1 a 2, depende do diâmetro do vaso
Stent vascular 035, 018, 014” 1 a 3 por segmento vascular, dependendo diâmetro e comprimento vascular
Materiais Sob justificativa
Balões especiais (tipo droga, crio, cutting etc.) Casos de re-estenose, hiperplasia mio-intimal.
Stent revestido Lesões calcificadas, rotura, aneurisma, etc. Rotina em fístula, rotura e aneurismas.
Trombectomia mecânica Tromboses agudas e subagudas, evitando embolizações
Cateter tipo aterectomia Lesões de hiperplasia, calcificações, etc.
Filtro de proteção tipo carotídeo Evitar embolização distal
Cateter de ultrassom intravascular Má aposição do stent, diâmetros, endoleak em aneurisma, etc.
Kit de angiografia por CO2 Intolerância a contraste iodado.
Laço de fio guia Laçar o fio guia em caso de duplo acesso
Cateter recanalizador Atingir a luz verdadeira
Oclusor femoral Heparinização sistêmica e duplo antiagregantes plaquetários.
Internação Dias UTI 1 dia Quarto 2 dias
Anestesia Sim X Não
Equipamentos Especiais Equipamento de angiografia digital, bomba injetora de contraste
Resolutividade 70 a 85% de perviedade em 1 ano
Seguimento Semestral se assintomático, controle com exames de imagem
Rastreabilidade Sim
Comentários Rápido retorno as suas atividades

 

Nome Procedimento Ponte endoluminal femoro-distal
Descrição do procedimento Realizado um ou dois acessos vasculares, uma angiografia pré-procedimento da femoral e ramo a ser tratado, passagem de fio guia pela estenose ou oclusão, realizado a liberação do stent e complementada com uma angioplastia e finalmente uma angiografia pós-procedimento por vaso a ser tratado. As lesões infrapatelares podem necessitar o tratamento individual de cada tronco arterial dependente das comunicações de colaterais e a lesão trófica existente.
CIDs do Procedimento I70.2; I70.8; I70.9; I72; I72.4; I72.8; I72.9; I73; I73.1; I73.8; I73.9; I74; I74.3; I74.4; I74.8; I74.9; I77.0; I77.1; I77.2; I77.3; I77.5; I77.6; I79.2; I80.2; I80.3; I82.8; I82.9; I87; I87.0; I87.1; I97; I97.1; I97.8; I97.9; I98; I98.1; E10.5; E11.5; E12.5; E13.5; E14.5; Q27; Q27.8; Q27.9; Q28; Q28.8; Q28.9 R09.8 T46; T46.9 T80.1; T81.7; T82; T82.3; T82.4; T82.5; T82.7; T82.8; T82.9; Y52;
Indicação Doenças ateromatosas, inflamatórias, disgenesias, traumáticas que alteram o lume da artéria, podendo serem estenoses ou oclusões, presença de fístulas ou roturas arteriais.
Caráter da Indicação Eletiva Sim Urgência Sim
Contra-Indicação Sem condições clínicas do tratamento
Exames da Indicação US Doppler, Tomografia, Ressonância ou Angiografia
Códigos TUSS Descrição Código
3.09.06.28-8 Ponte endoluminal femoro-distal Principal
3.09.06.11-3 Angioplastia transoperatória da artéria poplítea Secundário
3.09.06.11-3 x1 à x4 Angioplastia transoperatória de artéria infrapatelar – uma para cada artéria (tronco tibio-fibular, tibial anterior, posterior e fibular) Secundário
4.08.12.04-9 Angiografias por cateter do membro inferior antes do tratamento endovascular Secundário
4.08.12.04-9 Angiografias por cateter do membro inferior após o tratamento endovascular Secundário
4.08.13.23-1 Punção de veia central, com colocação de cateter venoso Secundário
3.09.06.16-4 Cateterismo da artéria radial para PA continua Secundário
3.09.11.14-1 Estudo ultrassonográfico intravascular(avaliação da luz do vaso, controle expansão de endopróteses pós angioplastias difíceis e suspeitas de dissecção arterial) Secundário
4.09.02.06-4 Doppler colorido intraoperatório(Acesso venoso central, acesso arterial sem pulso, anterógrado, vasos da perna, artérias calcificadas e controle hemodinâmico intraoperatório pós-angioplastia) Secundário
  Códigos Eventuais  
3.09.10.08-0 Trombectomia endovascular Secundário
3.09.12.11-3 Infusão seletiva intravascular de enzimas trombolíticas Secundário
OPMEs Materiais de Rotina Quantidade
Agulha de Punção 1
Introdutor curto 1 a 2, se acesso anterógrado e retrógrado
Introdutor longo ou contralateral 1, se acesso contralateral ou braquial
Fio guia hidrofílico 1 a 2
Fio guia de suporte 1
Fio guia de menor diâmetro 018, 014” 1 a 3, depende das artérias a serem tratadas, fios especiais de oclusão
Cateter diagnostico 2
Cateter hidrofílico de suporte 1
Insuflador de pressão controlada 1
Balão de angioplastia 1 a 3, depende das artérias a serem tratadas
Balão com droga 1 a 3, depende das artérias a serem tratadas- necessita angioplastia pré, para seu uso correto
Materiais Sob justificativa
Stent vascular 1 por vaso, em disseções ou recoil
Balões especiais (tipo crio, cutting etc.) Lesões calcificadas, re-estenose, etc
Stent revestido Aneurisma, roturas, etc
Cateter recanalizador Atingir a luz verdadeira
Microcateter Suporte ao micro cateter
Kit de angiografia por CO2 Intolerância a contraste iodado.
Oclusor femoral Heparinização sistêmica e duplo antiagregantes plaquetários.
Sistema de aterectomia ou trombectomia Lesões calcificadas, re-estenose, trombose aguda ou subaguda, etc
Internação Dias UTI 1 dia Quarto 2 dias
Anestesia Sim X Não
Equipamentos Especiais Equipamento de angiografia digital, bomba injetora de contraste
Resolutividade Taxa de salvamento de membros foi de 93% após seguimento médio de 1048 +/- 525 dias
Seguimento Semestral se assintomático
Rastreabilidade Sim
Comentários Rápido retorno as suas atividades, Notas: acesso femoral contralateral ou braquial são opções de acesso vascular e mesmo o acesso trans-pedal, necessitando de outros materiais, conforme justificativa médica; assim como outras técnicas cirúrgicas.

Demais artérias ou veias adotarão esses protocolos acima, por similaridade de procedimento.

 

Nome Procedimento Ponte endoluminal Aorto – bifemoral / Ponte aorto-bifemoral – estenose ou oclusão
Descrição do procedimento Realizado um, dois ou três acessos vasculares, uma angiografia pré-procedimento, a passagem de fio guia pela estenose ou oclusão, realizado uma angioplastia, nova angiografia, e eventual colocação de stent, seguido ou não de nova angioplastia e finalmente uma angiografia pós-procedimento. Nesse protocolo estão relacionados 4 segmentos de procedimentos, servindo para os segmentos aorto-ilíaca comum D e/ou E, segmentos ilíacas externas D e/ou E, dependente do caso específico.
CIDs do Procedimento I70.0; I70.2; I70.8; I72.3; I73.1; I73.8; I74; I74.0; I74.1; I74.4; I74.5; I77.0; I77.1; I77.2; I77.3; I77.6; I79.
Indicação Doenças ateromatosas, inflamatórias, disgenesias, traumáticas que alteram o lume da artéria, podendo serem estenoses ou oclusões, presença de fístulas ou roturas arteriais.
Caráter da Indicação Eletiva Sim Urgência Sim
Contra-Indicação Sem condições clínicas do tratamento
Exames da Indicação US Doppler, Tomografia, Ressonância ou Angiografia
Códigos TUSS Descrição Código
3.09.06.22-9 Ponte endoluminal Aorto – bifemoral / Ponte aorto-bifemoral Principal
3.09.06.11-3 Angioplastia transoperatória da ilíaca comum D Secundário
3.09.06.11-3 Angioplastia transoperatória da ilíaca externa D Secundário
3.09.06.11-3 Angioplastia transoperatória da ilíaca comum E Secundário
3.09.06.11-3 Angioplastia transoperatória da ilíaca externa E Secundário
4.08.12.04-9 Angiografias por cateter da aorta abdominal e ilíacas pré tratamento endovascular Secundário
4.08.12.04-9 Angiografias por cateter da aorta abdominal e ilíacas após o tratamento endovascular Secundário
4.08.13.23-1 Punção de veia central, com colocação de cateter venoso Secundário
3.09.06.16-4 Cateterismo da artéria radial para PA continua Secundário
3.09.11.14-1 Estudo ultrassonográfico intravascular(avaliação da luz do vaso, controle expansão de endopróteses pós angioplastias difíceis e suspeitas de dissecção arterial) Secundário
4.09.02.06-4 Doppler colorido intraoperatório(Acesso venoso central, acesso arterial sem pulso, anterógrado, artérias dos membros superiores e controle hemodinâmico intraoperatório pós-angioplastia) Secundário
OPMEs Materiais de Rotina Quantidade
Agulha de Punção 1
Introdutor 1 a 2 depende do número de acessos vasculares
Introdutor longo ou contralateral 1 conforme necessidade de acesso à distância
Fio guia hidrofílico 1 a 2 depende da bilateralidade
Fio guia de suporte 1 a 2 dependente da bilateralidade
Fio guia de menor diâmetro 0035” Sob justificativa, para OPME de menor diâmetro
Cateter diagnostico 2 a 3 curvas podem ser necessárias
Insuflador de pressão controlada 1 a 2 dependente de angioplastia bilateral de ilíacas comuns
Balão de angioplastia 1 a 4 por segmento vascular, nos casos de diâmetros diferentes
Balão de angioplastia para pré-dilatação 1 a 2 por segmento vascular, dependendo da complacência da lesão.
Materiais Sob justificativa Quantidade
Stent vascular 1 a 4 por segmento vascular dependendo do tamanho e morfologia da lesão
Balões especiais (tipo droga, crio, cutting etc.) Re-estenose, hiperplasia mio-intimal.
Stent revestido Dilatações arteriais, roturas, trombos parietais, úlceras, oclusões crônicas, etc.
Trombectomia mecânica Tromboses agudas e subagudas
Cateter de ultrassom intravascular Má aposição do stent, diâmetros, etc.
Kit de angiografia por CO2 Intolerância a contraste iodado.
Cateter recanalizador Angioplastia subintimal para acesso a luz vascular
Oclusor femoral Heparinização sistêmica e duplo antiagregantes plaquetários.
Internação Dias UTI 1 dia Quarto 2 dias
Anestesia Sim X Não
Equipamentos Especiais Equipamento de angiografia digital, bomba injetora de contraste
Resolutividade 84 à 98% de perviedade em 1 ano
Seguimento Semestral se assintomático, controle com exames de imagem
Rastreabilidade Sim
Comentários Rápido retorno as suas atividades

 

Nome Procedimento Ponte endoluminal na carótida ou vertebral com stent/Pontes aorto-cervicais ou endarterectomias dos troncos supra-aórticos ou Aneurisma de carótida, subclávia
Descrição do procedimento Realizado um acesso vascular, uma angiografia identificando o arco aórtico e a carótida alvo pré-procedimento compreendendo a lesão carotídea e o estudo intracraniano, a colocação de sistema de proteção cerebral, a passagem de fio guia pela estenose ou oclusão, realizado a colocação de stent vascular seguido de angioplastia e finalmente uma angiografia pós-procedimento da lesão carotídea e estudo intracraniano. Casos eventuais podem ser necessários 2 acessos vasculares.
CIDs do Procedimento I64; I65; I65.0; I65.2; I65.3; I65.8; I65.9; I66; I67; I67.0; I67.2; I67.7; I67.8; I67.9; I68; I68.8; I69; I69.3; I69.4; I69.8; I69; I69.3; I69.4; I69.8; I70.2; I70.8; I70.9; I71.9; I72; I72.1; I72.8; I72.9; I73; I73.1; I73.8; I73.9; I74; I74.2; I74.4; I74.8; I74.9; I77; I77.0; I77.1; I77.2; I77.3; I77.4; I77.5; I77.6;
Indicação Doenças ateromatosas, inflamatórias, disgenesias, traumáticas que alteram o lume da artéria, podendo serem estenoses ou oclusões, presença de fístulas ou roturas arteriais e aneurismas.
Caráter da Indicação Eletiva Sim Urgência Sim
Contra-Indicação Sem condições clínicas do tratamento
Exames da Indicação US Doppler, Tomografia, Ressonância ou Angiografia
Códigos TUSS Descrição Código
3.09.06.34-2 Ponte endoluminal na carótida ou vertebral com stent/Pontes aorto-cervicais ou endarterectomias dos troncos supra-aórticos Principal
3.09.06.06-7 Aneurisma de carótida, subclávia Principal
3.09.06.11-3 Angioplastia transoperatória da artéria carótida interna – bulbo ou vertebral Secundário
4.08.12.04-9 Angiografias por cateter da artéria carótida ou vertebral antes do tratamento endovascular Secundário
4.08.12.04-9 Angiografias por cateter da artéria carótida ou vertebral após o tratamento endovascular Secundário
3.09.06.16-4 Cateterismo da artéria radial para PA continua Secundário
3.09.11.14-1 Estudo ultrassonográfico intravascular(avaliação da luz do vaso, controle expansão de endopróteses pós angioplastias difíceis e suspeitas de dissecção arterial) Secundário
4.09.02.06-4 Doppler colorido intraoperatório(Acesso venoso central, acesso arterial sem pulso, anterógrado, artérias calcificadas, artérias dos membros superiores e controle hemodinâmico intraoperatório pós-angioplastia) Secundário
OPMEs Materiais de Rotina Quantidade
Agulha de Punção 1
Introdutor curto 1 a 2, se 2 acessos
Fio guia hidrofílico 1 a 2, se 2 acessos
Fio guia de suporte 1
Fio guia de menor diâmetro que 035 1
Cateter diagnostico 2
Cateter Guia ou Introdutor longo ou contralateral 1
Sistema de Proteção cerebral proximal ou distal 1
Insuflador de pressão controlada 1
Balão de angioplastia 1
Balão de angioplastia para pré-dilatação 1 estenoses severas
Stent vascular 1 por vaso, a escolha depende: “scaffolding”(Suporte), design de células abertas ou fechadas, flexibilidade e adaptabilidade à parede do vaso; conforme a lesão vascular.
Materiais Sob justificativa
Micro molas destacáveis Oclusão de aneurismas
Stent revestido Em aneurismas, roturas arteriais, etc
Balões especiais (tipo droga, crio, cutting etc.) Re-estenose
Cateter de ultrassom intravascular Má aposição do stent, diâmetros, etc.
Cateter recanalizador Atingir a luz verdadeira em disseções
Oclusor femoral Heparinização sistêmica e duplo antiagregantes plaquetários.
Microcateter Embolização distal
Micro guia cerebral Embolização distal
Removedor de trombos Embolização distal
Internação Dias UTI 1 dia Quarto 2 dias
Anestesia Sim X Não
Equipamentos Especiais Equipamento de angiografia digital, bomba injetora de contraste
Resolutividade taxa combinada de AVC (maior e menor) e morte de 3,98%
Seguimento No primeiro mês controle de imagem e depois semestral se assintomático
Rastreabilidade Sim
Comentários Rápido retorno as suas atividades. Notas: acesso femoral contralateral ou braquial são opções de acesso vascular, necessitando de outros materiais, conforme justificativa médica; assim como outras técnicas cirúrgicas.

 

Nome Procedimento Angioplastia transoperatória da artéria renal uni ou bilateral ou do tronco celíaco ou da mesentérica superior/ Artéria renal bilateral revascularização ou Aneurisma de artérias viscerais
Descrição do procedimento Realizado um acesso vascular, uma angiografia pré-procedimento da aorta e ramo a ser tratado, passagem de fio guia pela estenose ou oclusão, realizado a liberação do stent e complementada com uma angioplastia e finalmente uma angiografia pós-procedimento. Determinados aneurismas têm opções terapêuticas diversas, como oclusão proximal e distal, colocação de micro molas, eventual suporte por MicroStent em colos largos, ou mesmo um stent revestido ou modulador de fluxo.
CIDs do Procedimento I70.1; I70.8; I70.9; I72.2; I72.8; I72.9; I73.8; I73.9; I74.1; I74.8; I74.9; I77.0; I77.1; I77.2; I77.3; I77.4; I77.6; I82.2; I82.3; I82.8; I82.9; K55.0; K55.1; K55.8; K55.9; Q28.8; Q28.9; R09.8;
Indicação Doenças ateromatosas, inflamatórias, disgenesias, traumáticas que alteram o lume e/ou função da artéria, podendo serem estenoses ou oclusões, aneurismas, presença de fístulas ou roturas arteriais.
Caráter da Indicação Eletiva Sim Urgência Sim
Contra-Indicação Sem condições clínicas do tratamento
Exames da Indicação US Doppler, Tomografia, Ressonância ou Angiografia
Códigos TUSS Descrição Código
3.09.06.15-6 Angioplastia transoperatória da artéria renal uni ou bilateral ou do tronco celíaco ou da mesentérica superior/ Artéria renal bilateral revascularização Principal
3.09.06.04-0 Aneurisma de artérias viscerais Principal
3.09.06.11-3 Angiografias por cateter da aorta abdominal e artéria visceral antes do tratamento endovascular Secundário
4.08.12.04-9 Angiografias por cateter da aorta abdominal e artéria visceral após o tratamento endovascular Secundário
4.08.13.23-1 Punção de veia central, com colocação de cateter venoso Secundário
3.09.06.16-4 Cateterismo da artéria radial para PA continua Secundário
3.09.11.14-1 Estudo ultrassonográfico intravascular(avaliação da luz do vaso, controle expansão de endopróteses pós angioplastias difíceis e suspeitas de dissecção arterial) Secundário
4.09.02.06-4 Doppler colorido intraoperatório(Acesso venoso central, acesso arterial sem pulso, artérias calcificadas, artérias dos membros superiores e controle hemodinâmico intraoperatório pós-angioplastia) Secundário
Código Específico Um dos procedimentos abaixo também Principal  
4.08.13.21-5 Colocação de stent aórtico Principal
4.08.13.25-8 Colocação de stent em artéria visceral – por vaso Principal
4.08.13.29-0 Colocação de stent em estenose vascular de enxerto transplantado Principal
4.08.13.22-3 Colocação de stent para tratamento da Síndrome da VC Principal
4.08.13.28-2 Colocação de stent revestido para tratamento de fistula arteriovenosa Principal
4.08.13.27-4 Colocação de stent revestido para tratamento de aneurisma periférico Principal
4.08.13.59-2 Embolização de aneurisma ou pseudoaneurisma visceral Principal
4.08.13.69-0 Embolização seletiva de fístula ou aneurisma renal para tratamento de hematúria Principal
4.08.13.73-8 Embolização de pseudoaneurisma – por vaso Principal
OPMEs Materiais de Rotina Quantidade
Agulha de Punção 1
Introdutor curto 1
Fio guia hidrofílico 1
Fio guia de suporte 1
Fio guia de menor diâmetro que 035 1 a 2, se usar 2 micro cateteres
Cateter diagnostico 2
Cateter Guia ou Introdutor longo 1
Insuflador de pressão controlada 1
Balão de angioplastia 035, 018, 014” 1
Balão de angioplastia para pré-dilatação 035, 018, 014” 1 estenoses severas em caso que for utilizar stent
Stent vascular 035, 018, 014” 1 por vaso
Materiais Sob justificativa Quantidade
Stent revestido ou Modulador de Fluxo Com suporte em artéria normal aferente e eferente
Micro molas destacáveis fibradas ou não Para oclusão vascular ou oclusão do aneurisma
MicroStent tipo neurológico Aneurismas de colo largo, para aprisionar as micro molas
Microcateter 1 a 2 para liberação de MicroStent e micro molas
Kit de angiografia por CO2 Intolerância a contraste iodado.
Filtro de proteção tipo carotídeo Evitar embolização distal
Cola, Resinas embolizantes, Partículas, Plug vascular, etc. Conforme a técnica a ser adotada
Balões especiais (tipo droga, crio, cutting etc.) Hiperplasia, calcificação, estenose in-stent
Cateter de ultrassom intravascular Má aposição do stent, diâmetros, etc.
Oclusor femoral Heparinização sistêmica e duplo antiagregantes plaquetários.
Internação Dias UTI 1 dia Quarto 2 dias
Anestesia Sim X Não
Equipamentos Especiais Equipamento de angiografia digital, bomba injetora de contraste
Resolutividade 90% de resolutividade
Seguimento No primeiro trimestral controle de imagem e depois semestral se assintomático
Rastreabilidade Sim
Comentários Rápido retorno as suas atividades. Notas: acesso femoral contralateral ou braquial são opções de acesso vascular, necessitando de outros materiais, conforme justificativa médica; assim como outras técnicas cirúrgicas.

 

Nome Procedimento Aneurisma da aorta abdominal infra-renal, pelo método endovascular sem envolvimento hipogástricas
Descrição do procedimento Considerando que são realizados dois ou três acessos vasculares, uma angiografia pré-procedimento do segmento aórtico e outra do segmento ilíaco, a passagem de fio guia e liberação de endoprótese (tronco) e endoprótese (contralateral) ou similar, realizado angiografia de posicionamento – mínimo de 3 vezes, e acomodação por balão em 3 artérias, seguido de angiografia pós-procedimento.
CIDs do Procedimento I70.0; I71; I71.0; I71.3; I71.4; I71.8; I71.9; I72; I72.3; I73; I74.0; I74.1; I74.5; I74.8; I74.9; I77.0; I77.1; I77.2; I77.3; I79.1; T81.7; T82; T82.3; T82.4; T82.5; T82.7; T82.8; T82.9
Indicação Doenças aneurismática, inflamatórias, disgenesias, traumáticas que alteram o lume da artéria, podendo serem estenoses ou oclusões, presença de fístulas ou roturas arteriais.
Caráter da Indicação Eletiva Sim Urgência Sim
Contra-Indicação Sem condições clínicas do tratamento
Exames da Indicação Tomografia ou Ressonância
Códigos TUSS Descrição Código
3.09.06.01-6 Aneurisma da aorta abdominal infra-renal, – endovascular Principal
3.09.06.38-5 Arterioplastia da artéria femoral comum D Secundário
3.09.06.38-5 Arterioplastia da artéria femoral comum E Secundário
4.08.12.04-9 Angiografias por cateter da aorta abdominal e ilíacas antes do tratamento endovascular Secundário
4.08.12.04-9 Angiografias por cateter da aorta abdominal e ilíacas após o tratamento endovascular Secundário
4.08.12.06-5 (3x) Angiografia transoperatória de posicionamento Secundário
4.08.13.23-1 Punção de veia central, com colocação de cateter venoso Secundário
3.09.06.16-4 Cateterismo da artéria radial para PA continua Secundário
3.09.11.14-1 Estudo ultrassonográfico intravascular(avaliação da luz do vaso, determinação de altura (distância) de emergência de ramos (renais, AMS, bifurcação) em aneurismas, controle expansão de endopróteses pós angioplastias difíceis e suspeitas de dissecção arterial) Secundário
4.09.02.06-4 Doppler colorido intraoperatório(Acesso venoso central, acesso arterial sem pulso, anterógrado, artérias calcificadas e controle hemodinâmico intraoperatório pós-angioplastia) Secundário
  Códigos Eventuais  
3.09.06.30-0 Ponte femoro – femoral com a utilização de prótese sintética Secundário
3.09.06.25-3 Ponte ilíaca com a utilização de prótese sintética Secundário
OPMEs Materiais de Rotina Quantidade
Conjunto de Endopróteses com bifurcação aórtica, conforme a marca solicitada 1
Agulha de Punção 1
Introdutor curto 1 a 3, dependendo do número de acessos
Introdutores de grande diâmetro 2
Fio guia hidrofílico 1 a 2
Fio guia de suporte 2
Cateter Pigtail centimetrado 1
Cateter diagnostico 1 a 2
Balão de acomodação 1
Materiais Sob justificativa
Endoprótese aórtica ou ilíaca – extensão proximal e/ou distal Em casos de endoleak ou extensão de ilíacas
Introdutor longo ou contralateral 1, dependendo da marca da prótese
Fio guia de menor diâmetro que 035 1, dependendo da marca da prótese
Balão de angioplastia Estenoses pré, ou acotovelamento prótese, ou técnica endo-wedge
Insuflador de pressão controlada 1
Stent vascular Estenoses pré, ou acotovelamento prótese
Stent revestido Rotura arterial, etc
Oclusor ilíaco Conversão aorto-mono
Kit de angiografia por CO2 Intolerância a contraste iodado.
Molas de embolização Oclusão de ramos aórticos para evitar endoleak II
Oclusor acesso femoral 4 unidades se acesso percutâneo
Cateter laçador snare 1, dependendo da marca da prótese
Prótese de ePTFE anelado 8 mm para ponte femoro – femoral Conversão aorto-mono
Prótese de Dacron 10 mm ou Stent revestido para criação de conduto de introdução da endoprótese em caso de ilíaca de menor calibre Para realizar técnica de endoconduto
Internação Dias UTI 1 dia Quarto 2 dias
Anestesia Sim X Não
Equipamentos Especiais Equipamento de angiografia digital, bomba injetora de contraste
Resolutividade Mortalidade operatória de 1,3%
Seguimento Semestral se assintomático, com exames de imagem
Rastreabilidade Sim
Comentários Rápido retorno as suas atividades, Procedimentos auxiliares, angioplastia de artérias renais ou ilíacas, acesso vascular ilíaco com ou sem realização de conduto vascular para a passagem das endopróteses, endarterectomias, profundoplastias, embolectomia ou trombectomia, e demais variáveis serão adicionadas aos códigos acima, com justificativa medica desses procedimentos auxiliares. Notas: acesso femoral contralateral ou braquial são opções de acesso vascular, necessitando de outros materiais, conforme justificativa médica; assim como outras técnicas cirúrgicas para procedimentos híbridos.

 

Nome Procedimento Aneurisma da aorta abdominal infra-renal, pelo método endovascular com envolvimento hipogástricas
Descrição do procedimento Considerando que são realizados dois ou três acessos vasculares, uma angiografia pré-procedimento do segmento aórtico e outra do segmento ilíaco, a passagem de fio guia e liberação de endoprótese (tronco) e endoprótese (contralateral) ou similar, realizado angiografia de posicionamento – mínimo de 3 vezes, e acomodação por balão em 3 artérias, seguido de angiografia pós-procedimento. Necessita o tratamento associado das artérias hipogástricas, ou por oclusão ou manter a circulação.
CIDs do Procedimento I70.0; I71; I71.0; I71.3; I71.4; I71.8; I71.9; I72; I72.3; I73; I74.0; I74.1; I74.5; I74.8; I74.9; I77.0; I77.1; I77.2; I77.3; I79.1; T81.7; T82; T82.3; T82.4; T82.5; T82.7; T82.8; T82.9
Indicação Doenças aneurismática, inflamatórias, disgenesias, traumáticas que alteram o lume da artéria, podendo serem estenoses ou oclusões, presença de fístulas ou roturas arteriais.
Caráter da Indicação Eletiva Sim Urgência Sim código 3.09.10.01-3
Contra-Indicação Sem condições clínicas do tratamento
Exames da Indicação Tomografia ou Ressonância
Códigos TUSS Descrição Código
3.09.06.01-6 Aneurisma da aorta abdominal infra-renal – endovascular Principal
3.09.06.12-1 (1 ou 2 x) Artéria hipogástrica – unilateral – qualquer técnica Principal
3.09.06.38-5 Arterioplastia da artéria femoral comum D Secundário
3.09.06.38-5 Arterioplastia da artéria femoral comum E Secundário
4.08.12.06-5 (3x) Angiografia transoperatória de posicionamento Secundário
4.08.12.04-9 Angiografias por cateter da aorta abdominal e ilíacas antes do tratamento endovascular Secundário
4.08.12.04-9 Angiografias por cateter da aorta abdominal e ilíacas após o tratamento endovascular Secundário
4.08.13.23-1 Punção de veia central, com colocação de cateter venoso Secundário
3.09.06.16-4 Cateterismo da artéria radial para PA continua Secundário
3.09.11.14-1 Estudo ultrassonográfico intravascular(avaliação da luz do vaso, determinação de altura (distância) de emergência de ramos (renais, AMS, bifurcação) em aneurismas, controle expansão de endopróteses pós angioplastias difíceis e suspeitas de dissecção arterial) Secundário
4.09.02.06-4 Doppler colorido intraoperatório(Acesso venoso central, acesso arterial sem pulso, anterógrado, artérias calcificadas e controle hemodinâmico intraoperatório pós-angioplastia) Secundário
  Códigos Secundários  
3.09.06.30-0 Ponte femoro – femoral com a utilização de prótese sintética Secundário
3.09.06.25-3 Ponte ilíaca com a utilização de prótese sintética Secundário
OPMEs Materiais de Rotina Quantidade
Conjunto de Endopróteses com bifurcação aórtica, conforme a marca solicitada 1
Endoprótese Fenestrada, Ramificada ou outra 1 a 2, número de hipogástricas
Agulha de Punção 1
Introdutor curto 1 a 3, depende do número de acessos
Introdutores de grande diâmetro 2
Introdutor longo ou contralateral 1 para acesso à hipogástrica
Fio guia hidrofílico 1 a 3
Fio guia de suporte 3
Cateter Pigtail centimetrado 1
Cateter diagnostico 1 a 3
Insuflador de pressão controlada 1
Stent revestido 1 a 2, número de hipogástricas
Balão de acomodação 1
Materiais Sob justificativa
Endoprótese aórtica ou ilíaca – extensão proximal e/ou distal Em casos de endoleak ou extensão de ilíacas
Fio guia de menor diâmetro que 035 1, dependendo da marca da prótese
Balão de angioplastia Estenoses pré, ou acotovelamento prótese, ou técnica endo-wedge
Stent vascular Estenoses pré, ou acotovelamento prótese
Molas de embolização fibradas Se for embolizar hipogástrica
Oclusor ilíaco Conversão aorto-mono
Kit de angiografia por CO2 Intolerância a contraste iodado.
Oclusor acesso femoral 4 unidades se acesso percutâneo
Cateter laçador snare 1, dependendo da marca da prótese
Prótese de ePTFE anelado 8 mm para ponte femoro – femoral Conversão aorto-mono
Prótese de Dacron 10 mm ou Stent revestido para criação de conduto de introdução da endoprótese em caso de ilíaca de menor calibre Para realizar técnica de endoconduto
Oclusor- plug vascular Se for embolizar hipogástrica
Internação Dias UTI 1 dia Quarto 2 dias
Anestesia Sim X Não
Equipamentos Especiais Equipamento de angiografia digital, bomba injetora de contraste
Resolutividade Mortalidade operatória de 1,3%
Seguimento Semestral se assintomático, com exames de imagem
Rastreabilidade Sim
Comentários Rápido retorno as suas atividades, Procedimentos auxiliares, tipo embolização de artéria hipogástrica, angioplastia de artérias renais ou ilíacas, acesso vascular ilíaco com ou sem realização de conduto vascular para a passagem das endopróteses, endarterectomias, profundoplastias, embolectomia ou trombectomia, e demais variáveis serão adicionadas aos códigos acima, com justificativa medica desses procedimentos auxiliares.. Notas: acesso femoral contralateral ou braquial são opções de acesso vascular, necessitando de outros materiais, conforme justificativa médica; assim como outras técnicas cirúrgicas.

 

Nome Procedimento Aneurisma de Aorta-Torácica – Correção endovascular
Descrição do procedimento Realizado dois ou três acessos vasculares, uma angiografia pré-procedimento, a passagem de fio guia e liberação de endopróteses, realizado angiografia de posicionamento e acomodação por balão, seguido de angiografia pós-procedimento.
CIDs do Procedimento I71; I71.0; I71.1; I71.2; I71.5; I71.6; I71.8; I71.9; I72; I72.8; I72.9; I73.8; I73.9; I74.1; I74.9; I77.0; I77.1; I77.2; I77.5; I77.6; I79.0; I79.1; I97.1; I97.8; I97.9; I98; I98.0; I98.1; I98.8; I99; A52.0; D68.3; E10.5; T81.7; T82; T82.3; T82.5; T82.7; T82.8; T82.9; Y52; Y52.9; Y71; Y71.0; Y71.1; Y71.2; Y71.3; Y71.8; Z95; Z95.8; Z95.9
Indicação Doenças aneurismática, inflamatórias, disgenesias, traumáticas que alteram o lume da artéria, podendo serem estenoses ou oclusões, presença de fístulas ou roturas arteriais.
Caráter da Indicação Eletiva Sim Urgência Sim
Contra-Indicação Sem condições clínicas do tratamento
Exames da Indicação Tomografia ou Ressonância
Códigos TUSS Descrição Código
3.09.06.03-2 Aneurisma de Aorta-Torácica – Correção endovascular Principal
4.08.12.04-9 Angiografias por cateter da aorta torácica e troncos supra aórticos antes do tratamento endovascular Secundário
4.08.12.04-9 Angiografias por cateter da aorta torácica e troncos supra aórticos após o tratamento endovascular Secundário
4.08.13.23-1 Punção de veia central, com colocação de cateter venoso Secundário
3.09.06.16-4 Cateterismo da artéria radial para PA continua Secundário
3.14.01.05-8 Drenagem liquórica externa dependente da medida da pressão Secundário
3.09.06.25-3 Ponte ilíaca com a utilização de prótese sintética Secundário
3.09.06.11-3 Angioplastia transoperatória da artéria ilíaca unilateral Secundário
3.09.06.38-5 Arterioplastia da artéria femoral comum unilateral Secundário
3.09.11.14-1 Estudo ultrassonográfico intravascular(avaliação da luz do vaso, determinação de altura (distância) de emergência de ramos (renais, AMS, bifurcação) em aneurismas, controle expansão de endopróteses pós angioplastias difíceis e suspeitas de dissecção arterial) Secundário
4.09.02.06-4 Doppler colorido intraoperatório(Acesso venoso central, acesso arterial sem pulso, anterógrado, artérias calcificadas e controle hemodinâmico intraoperatório pós-angioplastia) Secundário
OPMEs Descrição Quantidade
Endoprótese Torácica 1 a 3
Agulha de Punção 1
Introdutor curto 1 a 2
Introdutores de grande diâmetro 1
Introdutor longo ou contralateral 1
Fio guia hidrofílico 1 a 3
Fio guia de suporte 1 a 2
Fio guia de menor diâmetro que 035 1
Cateter Pigtail centimetrado 1
Cateter diagnostico 1 a 3
Insuflador de pressão controlada 1
Balão de acomodação 1
Materiais Sob justificativa
Balão de angioplastia Sob justificativa
Stent vascular Sob justificativa
Stent revestido Sob justificativa
Oclusor – plug vascular Sob justificativa
Oclusor ilíaco Sob justificativa
Oclusor acesso femoral Sob justificativa
Internação Dias UTI 1 dia Quarto 4 dias
Anestesia Sim X Não
Equipamentos Especiais Equipamento de angiografia digital, bomba injetora de contraste, eco-transesofágico
Resolutividade
Seguimento Semestral se assintomático
Rastreabilidade Sim
Comentários Rápido retorno as suas atividades. Notas: acesso femoral contralateral ou braquial são opções de acesso vascular, necessitando de outros materiais, conforme justificativa médica; assim como outras técnicas cirúrgicas.

Procedimentos auxiliares, tipo acesso vascular ilíaco com ou sem realização de conduto vascular para a passagem das endopróteses, endarterectomias, profundoplastias, embolectomia ou trombectomia, e demais variáveis serão adicionadas aos códigos acima, com justificativa medica desses procedimentos auxiliares.

 

Nome Procedimento Aneurismas Tóraco-Abdominais ou Para-renal – Correção endovascular
Descrição do procedimento Realizado dois a quatro acessos vasculares, uma angiografia pré-procedimento, a passagem de fio guia e liberação de endopróteses, seletivação de ramos viscerais com colocação de fios guias e stents revestidos nas artérias viscerais ou supra-aórticas, seguido de angioplastia dos ramos viscerais ou supra-aórticas e realizado angiografia de posicionamento e acomodação por balão, seguido de angiografia pós-procedimento.

Para endoprótese toracoabdominal, ou seja, ramificada, precisaríamos de 4 stents revestidos (os que fazem conexão entre as ramificações e as artérias-alvo) e 1 a 4 stents não revestidos auto expansíveis (que são colocados dentro dos primeiros em caso de dobra(se necessário).

CIDs do Procedimento I71; I71.0; I71.1; I71.2; I71.5; I71.6; I71.8; I71.9; I72; I72.8; I72.9; I73.8; I73.9; I74.1; I74.9; I77.0; I77.1; I77.2; I77.5; I77.6; I79.0; I79.1; I97.1; I97.8; I97.9; I98; I98.0; I98.1; I98.8; I99; A52.0; D68.3; E10.5; T81.7; T82; T82.3; T82.5; T82.7; T82.8; T82.9; Y52; Y52.9; Y71; Y71.0; Y71.1; Y71.2; Y71.3; Y71.8; Z95; Z95.8; Z95.9;
Indicação Doenças aneurismática, inflamatórias, disgenesias, traumáticas que alteram o lume da artéria, podendo serem estenoses ou oclusões, presença de fístulas ou roturas arteriais, envolvendo as artérias viscerais ou as artérias supra-aórticas.
Caráter da Indicação Eletiva Sim Urgência Sim
Contra-Indicação Sem condições clínicas do tratamento
Exames da Indicação Tomografia ou Ressonância
Códigos TUSS Descrição Código
3.09.06.08-3 Aneurismas Tóraco-Abdominais – Correção endovascular Principal
3.09.06.14-8 x1 à x4 Revascularização de artéria visceral – uma para cada artéria (tronco celíaco, mesentérica superior, renal D e renal E) ou (carótida D e E, subclávia D e E) Principal
4.08.12.04-9 Angiografias por cateter da aorta torácica e troncos supra aórticos antes do tratamento endovascular Secundário
4.08.12.04-9 Angiografias por cateter da aorta torácica e troncos supra aórticos após o tratamento endovascular Secundário
4.08.13.23-1 Punção de veia central, com colocação de cateter venoso Secundário
3.09.06.16-4 Cateterismo da artéria radial para PA continua Secundário
3.14.01.05-8 Drenagem liquórica externa dependente da medida da pressão Secundário
3.09.11.14-1 Estudo ultrassonográfico intravascular(avaliação da luz do vaso, determinação de altura (distância) de emergência de ramos (renais, AMS, bifurcação) em aneurismas, controle expansão de endopróteses pós angioplastias difíceis e suspeitas de dissecção arterial) Secundário
4.09.02.06-4 Doppler colorido intraoperatório(Acesso venoso central, acesso arterial sem pulso, anterógrado, artérias calcificadas e controle hemodinâmico intraoperatório pós-angioplastia) Secundário
OPMEs Descrição Quantidade
Endoprótese Torácica 1 a 2
Endoprótese Fenestrada, Ramificada ou não 1
Conjunto de Endopróteses com bifurcação aórtica, conforme a marca 1
Stent revestido 1 a 4
Agulha de Punção 1
Introdutor curto 1 a 2
Introdutores de grande diâmetro 1 a 2
Introdutor longo ou contralateral 1 a 4
Fio guia hidrofílico 3
Fio guia de suporte 2 a 5
Fio guia de menor diâmetro que 035 1 a 2
Cateter Pigtail centimetrado 1
Cateter diagnostico 1 a 3
Cateter hidrofílico de suporte 1
Insuflador de pressão controlada 1
Balão de angioplastia 1 a 2
Balão de acomodação 1
Materiais Sob justificativa
Stent vascular Sob justificativa
Oclusor – plug vascular Sob justificativa
Oclusor ilíaco Sob justificativa
Oclusor acesso femoral Sob justificativa
Internação Dias UTI 1 dia Quarto 2 dias
Anestesia Sim X Não
Equipamentos Especiais Equipamento de angiografia digital, bomba injetora de contraste,
Resolutividade
Seguimento Semestral se assintomático
Rastreabilidade Sim
Comentários Rápido retorno as suas atividades. Procedimentos auxiliares, tipo acesso vascular ilíaco com ou sem realização de conduto vascular para a passagem das endopróteses, endarterectomias, profundoplastias, embolectomia ou trombectomia, e demais variáveis serão adicionadas aos códigos acima, com justificativa medica desses procedimentos auxiliares.

 

Nome Procedimento Tratamento Endovascular com Embolização Vascular de Órgão ou Região
Descrição do procedimento Realizado um acesso vascular, uma angiografia de vaso de grande porte, uma angiografia seletiva ou super-seletiva por vaso, a passagem de fio guia até a artéria alvo e colocação de cateter ou microcateter na artéria alvo, realização da embolização, necessitando de angiografia de controle de embolização por vaso e finalmente uma angiografia pós-procedimento.

Notas: acesso femoral contralateral ou braquial são opções de acesso vascular, necessitando de outros materiais, conforme justificativa médica; assim como outras técnicas cirúrgicas.

CIDs do Procedimento A abrangência é muito ampla, devendo ser justificada pelo médico.
Indicação Doenças ateromatosas, inflamatórias, disgenesias, traumáticas, neoplásicas que alteram a vascularização, presença de fístulas ou roturas arteriais.
Caráter da Indicação Eletiva Sim Urgência Sim
Contra-Indicação Sem condições clínicas do tratamento
Exames da Indicação Tomografia ou Ressonância
Códigos TUSS Descrição Embolização Principal conforme CBHPM Código
4.08.13.01-0 Alcoolização percutânea de angioma Principal
4.08.1366-5 Embolização arterial para tratamento de priapismo Principal
4.08.13.60-6 Embolização brônquica para tratamento da hemoptise Principal
4.08.13.59-2 Embolização de aneurisma ou pseudoaneurisma visceral Principal
4.08.13.70-3 Embolização de artéria renal para nefrectomia Principal
4.08.13.74-6 Embolização de artéria uterina para tratamento de mioma ou outras situações Principal
4.08.13.57-6 Embolização de fistula arteriovenosa em cabeça, pescoço ou coluna Principal
4.08.13.71-1 Embolização de fistula arteriovenosa não especificada- por vaso Principal
4.08.12.03-0 Angiografia por cateterismo não seletivo de grande vaso Secundário
4.08.12.04-9 Angiografia por cateterismo seletivo de ramo primário – por vaso Secundário
4.08.12.05-7 Angiografia por cateterismo superseletivo de ramo secundário ou distal – por vaso Secundário
4.08.12.07-3 Angiografia pós-operatória de controle Secundário
OPMEs Descrição Quantidade
Agulha de Punção 1
Introdutor curto, longo ou angulado 1 a 2
Fio guia hidrofílico 1 a 3
Fio guia de suporte 1 a 3
Fio guia de menor diâmetro que 035 1
Cateter Pigtail centimetrado 1
Cateter diagnostico 1 a 3
Cateter hidrofílico de suporte 1
Microcateter 1 a 2
Fio guia de menor diâmetro 1 a 3
Material Embolizante Escolhido pelo médico
Materiais Sob justificativa
Balão de angioplastia Sob justificativa
Stent vascular Sob justificativa
Stent revestido Sob justificativa
Oclusor – plug vascular Sob justificativa
Oclusor acesso femoral Sob justificativa
Internação Dias UTI 1 dia Quarto 2 dias
Anestesia Sim X Não
Equipamentos Especiais Equipamento de angiografia digital, bomba injetora de contraste
Resolutividade
Seguimento Semestral se assintomático
Rastreabilidade Sim
Comentários Materiais possíveis de serem utilizados para a embolização: Molas fibradas, não fibradas 035 e 018, micro molas de liberação controlada ou não, partículas de PVA, micro esferas de PVA, cola cirúrgica, líquidos esclerosantes, resinas embolizantes, plug vascular, e demais materiais.

 

Nome Procedimento Tratamento Endovascular da Oclusão Arterial ou Venosa
Descrição do procedimento A trombólise arterial ou venosa medicamentosa é realizada em etapas, variando de 1 a 2 sessões diárias por um período máximo de cinco dias. Ou seja, são atos médicos somados por sessões realizadas. Há a troca de materiais de acesso para a prevenção de infecções, e mesmo guias e cateteres de infusão até mostrarem a causa da trombose vascular. Então como procedimento final é realizado o tratamento da causa, necessitando de balões, stents suficientes para cobrirem totalmente as lesões, e mesmo o uso de filtro de veia cava. Os acessos vasculares com freqüência são múltiplos, após o acesso vascular, colocação de introdutor, passagem de fio guia e cateter diagnóstico para a angiografia inicial, e posterior passagem do setor vascular ocluído, trocando por cateter de infusão de fibrinolíticos. Esse primeiro ato pode ou não ser associado a trombectomia mecânica do segmento vascular.
CIDs do Procedimento A abrangência é muito ampla, devendo ser justificada pelo médico.
Indicação Doenças venosas agudas ou crônicas que levem a uma hipertensão venosa importante, ou pacientes com isquemia arterial.
Caráter da Indicação Eletiva Sim Urgência Sim
Contra-Indicação Sem condições clínicas do tratamento
Exames da Indicação Ultrassom Doppler, Tomografia ou Ressonância
Códigos TUSS Descrição Código
4.08.14.02-5 Trombólise medicamentosa arterial ou venosa- por vaso Principal
4.08.12.04-9 Angiografia por cateterismo seletivo de ramo primário- por vaso Secundário
4.08.12.06-5 Angiografia transoperatória de posicionamento Secundário
4.08.13.18-5 Angioplastia transluminal percutânea para tratamento de obstrução arterial Secundário
4.08.13.26-6 Colocação de stent para tratamento de obstrução arterial ou venosa – por vaso Secundário
4.08.12.07-3 Angiografia pós-operatória de controle Secundário
3.09.11.14-1 Estudo ultrassonográfico intravascular(avaliação da luz do vaso, controle expansão de endopróteses pós angioplastias difíceis e suspeitas de dissecção arterial) Secundário
4.09.02.06-4 Doppler colorido intraoperatório(Acesso venoso central, acesso arterial sem pulso, anterógrado, artérias dos membros superiores e controle hemodinâmico intraoperatório pós-angioplastia) Secundário
OPMEs Descrição Quantidade
Agulha de Punção 1
Introdutor 1 a 2
Introdutor longo ou contralateral 1
Fio guia hidrofílico 1 a 2
Fio guia de suporte 1
Cateter diagnostico 2 a 3
Insuflador de pressão controlada 1
Balão de angioplastia 1 a 2
Balão de angioplastia para pré-dilatação 1
Stent vascular 1 a 3 por vaso
Materiais Sob justificativa
Stent revestido Sob justificativa
Trombectomia mecânica Sob justificativa
Cateter recanalizador Sob justificativa
Oclusor femoral Sob justificativa
Internação Dias UTI 1 dia Quarto 2 dias
Anestesia Sim X Não
Equipamentos Especiais Equipamento de angiografia digital, bomba injetora de contraste
Resolutividade
Seguimento Semestral se assintomático
Rastreabilidade Sim
Comentários Rápido retorno as suas atividades

1.     Esclarecimentos técnicos dos procedimentos

  • Materiais de consumo para o procedimento, tais como conectores de bomba injetora, em Y, torneiras de alta e baixa pressão, contraste radiológico, seringas de injetoras, etc. não precisam de autorização pois são essenciais ao procedimento.
  • Angioplastia com uso de stent
    • Todo procedimento requer um estudo angiográfico pré procedimento, mesmo que haja estudo angiográfico prévio, pois podem ocorrer evolução da própria doença.
    • O código de angioplastia de determinado vaso não inclui o estudo do mesmo, tanto pré e pós procedimento.
    • Caso seja utilizado um stent, temos duas situações
      • Implante primário de stent, sem necessidade de pré ou pós dilatação, ou seja, o uso de um stent primário balão expansível.
      • Implante de stent com pré-dilatação da lesão com cateter balão para permitir a passagem do stent balão expansível ou auto-expansível.
      • Implante de stent com pós dilatação para a abertura e acomodação do stent.
      • Nessas duas ultimas situações serão cobrados códigos independentes (o da angioplastia e o do implante de stent)
    • Todo procedimento terapêutico requer um estudo angiográfico pós-procedimento para a documentação do procedimento, e deve ser cobrado separadamente, não estando embutido no procedimento terapêutico.
  • Auxiliares de Cirurgia, seguindo o capitulo 5 das Instruções Gerais da CBHPM
    • A valoração dos serviços prestados pelos médicos auxiliares dos atos cirúrgicos corresponderá o percentual de 30% do porte do ato praticado pelo cirurgião para o primeiro auxiliar, de 20% para o segundo e terceiro auxiliares e, quando o caso exigir, também para o quarto auxiliar.
    • Quando uma equipe, num mesmo ato cirúrgico, realizar mais de um procedimento, o número de auxiliares será igual ao previsto para o procedimento de maior porte, e a valoração do porte para os serviços desses auxiliares será calculada sobre a totalidade dos serviços realizados pelo cirurgião.
  • Não há redução dos procedimentos por mesmo acesso pois o capítulo 4 é por somatória dos procedimentos.
  • Existe valoração por urgência e emergência médica, segundo capitulo 2 das Instruções Gerais.
  • Quando forem utilizados códigos dos Capítulos 3 – Procedimentos Cirúrgicos e Invasivos, seguiram as normas específicas desse capítulo.

2.     Protocolos para Exames Diagnósticos (Angiorradiologia)

A angiografia diagnóstica é usada para definir planejamento terapêutico do paciente, e abrange o estudo de todo o sistema vascular.

Indicação clínica: doença degenerativas como aterosclerose, doenças inflamatórias, disgenesias, traumas, neoplasias, etc.

O exame é realizado por médico, necessitando cuidados pré e pós operatórios, eventualmente apoio de anestesiologista, repouso ou internação hospitalar, tendo complicações do procedimento definidos por região e patologia do paciente.

Foram definidos doze protocolos, descritos abaixo.

Como são métodos diagnósticos abrangentes incluem vários itens da CID-10, capítulo IX- Doenças do Aparelho Circulatório, que serão listados em anexo.

 

Nome Procedimento CONFECÇÃO DE FÍSTULA ARTERIO VENOSA PARA HEMODIÁLISE COM PRÓTESE
Descrição do procedimento Realizada a interposição de prótese tubular de material não autólogo entre artéria e uma veia para realização de hemodiálise
CIDs do Procedimento N17, N18
Indicação PACIENTES PORTADORES DE INSUFICIÊNCIA RENAL QUE NECESSITAM HEMODIÁLISE
Caráter da Indicação ELETIVO
Contra-Indicação PACIENTES PORTADORES DE INSUFICIÊNCIA CARDÍACA GRAVE OU INSTABILIDADE HEMODINÂMICA
Exames da Indicação FUNÇÃO RENAL
Códigos TUSS Descrição
3.09.08.02-7 CONFECÇÃO DE FÍSTULA ARTERIOVENOSA PARA HEMODIÁLISE COM ENXERTO
30913144 Confecção de fístula AV para hemodiálise
OPMEs Descrição Quantidade
PROTESE VASCULAR DE DACRON ou PTFE COM OU SEM HEPARINA

OU

PROTESE HIBRIDA (stent proximal)

01
FIO DE PTFE 02
Internação Dias UTI NÃO Quarto 1 dias
Anestesia Sim X Não
Equipamentos Especiais
Resolutividade 70% de perviedade em 1 ano
Seguimento Primeiro retorno em 7 dias. Segundo retorno 15 dias. Seguimento trimestral ou semestral
Rastreabilidade Sim
Comentários Acesso para hemodiálise em pacientes sem condições de utilização de veias para confecção de fístula arteriovenosa direta

 

Nome Procedimento Ponte Aorto-aórtica ou Aorto-monoilíaca ou unifemoral (Oclusão, aneurisma, dissecção ou reconstrução por trauma)

 

Descrição do procedimento Realizada a interposição de uma prótese sintética que substitua o vaso doente/afetado, com possível necessidade de trombectomia/embolectomia de ramo
CIDs do Procedimento I70.0; I70.2; I70.8; I70.9; I71.0; I71.1, I71.2; I71.3; I71.4; I71.8; I71.9; I72.3; I73.1; I73.8; I74; I74.0; I74.1; I74.4; I74.5; I77.0; I77.1; I77.2; I77.3; I77.6; I79.0; I79.1; .
Indicação Doenças ateromatosas, inflamatórias, disgenesias, traumáticas que alteram a integridade da artéria, podendo ser estenoses ou oclusões, dilatações aneurismáticas e presença de fístulas ou roturas arteriais.
Caráter da Indicação Eletiva Sim Urgência Sim
Contra-Indicação Sem condições clínicas do tratamento
Exames da Indicação US Doppler, Tomografia, Ressonância ou Angiografia
Códigos TUSS Descrição Código
Aneurisma de aorta abdominal infra-renal 3.09.06.01-6
Aneurisma de aorta abdominal supra-renal 3.09.06.02-4
Aneurisma de aorta-torácica – correção cirúrgica 3.09.06.03-2
Aneurismas – outros 3.09.06.07-5
Correção das dissecções da aorta 3.09.06.17-2
Ponte aorto-femoral – unilateral 3.09.06.24-5
Ponte aorto-ilíaca – unilateral 3.09.06.25-3
Reoperação de aorta abdominal 3.09.06.39-3
Revascularização aorto-femoral – unilateral 3.09.06.41-5
Aneurisma roto ou trombosado de aorta abdominal abaixo da artéria renal 30910013
Aneurismas rotos ou trombosados de aorta abdominal acima da artéria renal 30910030
OPMEs Descrição Quantidade
Prótese vascular – material: Dacron ou PTFE (simples ou com suporte externo) reta 1 a 2
Cateter de embolectomia (Fogarty) 1 a 2
Internação Dias UTI 1 a 3 dias Quarto 2 a 7 dias
Anestesia Sim X Não
Equipamentos Especiais Aparelho de autotransfusão (tipo cellsaver), cobertor/colchão térmico
Resolutividade Sobrevida de 30 dias maior que  90% nos procedimentos eletivos
Seguimento Anual se assintomático
Rastreabilidade Sim
Comentários Baixa necessidade de vigilância pós procedimento

 

Nome Procedimento Derivação Aorto-Biiliaca ou Aorto-Bifemoral (Oclusão, aneurisma, dissecção ou reconstrução por trauma)

 

Descrição do procedimento Realizada a interposição de uma prótese sintética que substitua o vaso doente/afetado, com possível necessidade de trombectomia/embolectomia de ramo
CIDs do Procedimento I70.0; I70.2; I70.8; I70.9; I71.0; I71.1, I71.2; I71.3; I71.4; I71.8; I71.9; I72.3; I73.1; I73.8; I74; I74.0; I74.1; I74.4; I74.5; I77.0; I77.1; I77.2; I77.3; I77.6; I79.0; I79.1; .
Indicação Doenças ateromatosas, inflamatórias, disgenesias, traumáticas que alteram a integridade da artéria, podendo ser estenoses ou oclusões, dilatações aneurismáticas e presença de fístulas ou roturas arteriais.
Caráter da Indicação Eletiva Sim Urgência Sim
Contra-Indicação Sem condições clínicas do tratamento
Exames da Indicação US Doppler, Tomografia, Ressonância ou Angiografia
Códigos TUSS Descrição Código
Aneurisma de aorta abdominal infra-renal 3.09.06.01-6
Aneurisma de aorta abdominal supra-renal 3.09.06.02-4
Aneurismas – outros 3.09.06.07-5
Correção das dissecções da aorta 3.09.06.17-2
Reoperação de aorta abdominal 3.09.06.39-3
Ponte aorto-bifemoral 3.09.06.22-9
Ponte aorto-biilíaca 3.09.06.23-7
Aneurisma roto ou trombosado de aorta abdominal abaixo da artéria renal 30910013
Aneurismas rotos ou trombosados de aorta abdominal acima da artéria renal 30910030
OPMEs Descrição Quantidade
Prótese vascular bifurcada (Dacron ou PTFE) 1
Cateter de embolectomia (Fogarty) 1 a 2
Internação Dias UTI 1 a 3 dias Quarto 2 a 7 dias
Anestesia Sim X Não
Equipamentos Especiais Aparelho de autotransfusão (tipo cellsaver), cobertor/colchão térmico
Resolutividade Sobrevida 30 dias maior que  90% nos procedimentos eletivos
Seguimento Semestral se assintomático
Rastreabilidade Sim
Comentários Baixa necessidade de vigilância pós procedimento

 

Nome Procedimento Derivações axilo/subclávio – unifemoral ou bifemoral
Descrição do procedimento Realizada a interposição de uma prótese sintética que permita a revascularização da extremidade inferior, com possível necessidade de trombectomia/embolectomia de ramo
CIDs do Procedimento I70.0; I70.2; I70.9; I71; I71.0; I71,3; I71,4; I71.5; I71.6; I74.0; I74.1; I74.3; I74.5; I79.0; I79.1;
Indicação Doenças ateromatosas, inflamatórias, disgenesias, traumáticas que alteram a integridade da artéria, podendo ser estenoses ou oclusões, dilatações aneurismáticas e presença de fístulas ou roturas arteriais.
Caráter da Indicação Eletiva Sim Urgência Sim
Contra-Indicação Sem condições clínicas do tratamento
Exames da Indicação US Doppler, Tomografia, Ressonância ou Angiografia
Códigos TUSS Descrição  
3.09.06.26-1 Ponte axilo-bifemoral
3.09.06.27-0 Ponte axilo-femoral
3.09.06.28-8 Ponte distal
3.09.06.32-6 Ponte subclávio bifemoral
3.09.06.33-4 Ponte subclávio femoral
OPMEs Descrição Quantidade
Prótese vascular – material: Dacron ou PTFE (simples ou com suporte externo) reta 1 por segmento tratado, com comprimento suficiente.
Cateter de embolectomia (Fogarty) 1 a 2
Internação Dias UTI 1 a 2 dias Quarto 2 a 5 dias
Anestesia Sim X Não
Equipamentos Especiais Cobertor/colchão térmico
Resolutividade Sobrevida de 30 dias maior que  90% nos procedimentos eletivos
Seguimento Anual se assintomático
Rastreabilidade Sim
Comentários Vigilância simples e com baixa frequência pós procedimento. Baixa necessidade de reintervenções.

Esclarecimentos técnicos dos procedimentos

  • Materiais de consumo para o procedimento, tais como fios cirúrgicos, gaze, compressas, instrumental cirúrgico convencional, etc. não precisam de autorização pois são essenciais ao procedimento.
  • Auxiliares de Cirurgia, seguindo o capitulo 5 das Instruções Gerais da CBHPM
    • A valoração dos serviços prestados pelos médicos auxiliares dos atos cirúrgicos corresponderá o percentual de 30% do porte do ato praticado pelo cirurgião para o primeiro auxiliar, de 20% para o segundo e terceiro auxiliares e, quando o caso exigir, também para o quarto auxiliar.
    • Quando uma equipe, num mesmo ato cirúrgico, realizar mais de um procedimento, o número de auxiliares será igual ao previsto para o procedimento de maior porte, e a valoração do porte para os serviços desses auxiliares será calculada sobre a totalidade dos serviços realizados pelo cirurgião.
  • Não há redução dos procedimentos por mesmo acesso pois o capítulo 4 é por somatória dos procedimentos.
  • Existe valoração por urgência e emergência médica, segundo capitulo 2 das Instruções Gerais.
  • Quando forem utilizados códigos dos Capítulos 3 – Procedimentos Cirúrgicos e Invasivos, seguiram as normas específicas desse capítulo.

 

Nome Procedimento Derivações extracavitárias (Oclusão, aneurisma, dissecção ou reconstrução por trauma)

 

Descrição do procedimento Realizada a interposição de uma prótese sintética que substitua o vaso doente/afetado, com possível necessidade de trombectomia/embolectomia de ramo
CIDs do Procedimento I63; I63.0; I63.1; I63.2; I63.3; I63.4; I65; I65.0; I65.2; I65.3; I65.8; I65.9; I66; I70.0; I70.2; I70.8; I70.9; I72; I72.1; I72.4; I72.8; I73; I73.1; I73.8; I73.9; I74; I74.2; I74.3; I74.4; I77.0; I77.1; I77.2; I77.6; I77.8; I77.9; I79.2; I79.8
Indicação Doenças ateromatosas, inflamatórias, disgenesias, traumáticas que alteram a integridade da artéria, podendo ser estenoses ou oclusões, dilatações aneurismáticas e presença de fístulas ou roturas arteriais.
Caráter da Indicação Eletiva Sim Urgência Sim
Contra-Indicação Sem condições clínicas do tratamento
Exames da Indicação US Doppler, Tomografia, Ressonância ou Angiografia
Códigos TUSS Descrição Código
Aneurisma de axilar, femoral, poplítea 3.09.06.05-9
Aneurisma de carótida, subclávia, ilíaca 3.09.06.06-7
Aneurismas – outros 3.09.06.07-5
Arterioplastia da femoral profunda (profundoplastia) 3.09.06.38-5
Ponte distal 3.09.06.28-8
Ponte fêmoro poplítea proximal 3.09.06.29-6
Ponte fêmoro-femoral cruzada 3.09.06.30-0
Ponte fêmoro-femoral ipsilateral 3.09.06.31-8
Pontes transcervicais – qualquer tipo 3.09.06.35-0
Revascularização arterial de membro superior 3.09.06.42-3
Tratamento cirúrgico da isquemia cerebral 3.09.06.43-1
Tratamento cirúrgico de síndrome vértebro basilar 3.09.06.44-0
Tratamento cirúrgico de tumor carotídeo 3.09.06.45-8
Lesões vasculares de membro inferior ou superior – unilateral 30910129
  Lesões vasculares cervicais e cérvico-torácicas 30910110
  Exploração vascular em traumas de outros segmentos 30910099
  Aneurismas rotos ou trombosados de axilar, femoral, poplítea 30910056
OPMEs Descrição Quantidade
Prótese vascular – material: Dacron ou PTFE (simples ou com suporte externo) reta 1 a 2
Cateter de embolectomia (Fogarty) 1 a 2
Material sob justificativa
Shunt temporário intra-arterial Sob justificativa
Internação Dias UTI 1 a 2 dias Quarto 2 a 5 dias
Anestesia Sim X Não
Equipamentos Especiais Cobertor/colchão térmico
Resolutividade Sobrevida de 30 dias maior que  90% nos procedimentos eletivos
Seguimento Anual se assintomático
Rastreabilidade Sim
Comentários Vigilância simples e com baixa frequência pós procedimento. Baixa necessidade de reintervenções.

 

Nome Procedimento Derivações para ramos intracavitários (Oclusão, aneurisma, dissecção ou reconstrução por trauma)

                  

Descrição do procedimento Realizada a interposição de uma prótese sintética que substitua o vaso doente/afetado, com possível necessidade de trombectomia/embolectomia de ramo
CIDs do Procedimento I15.0; I70.1; I70.8; I71.5; I71.6; I72; I72.2; I72.3; I72.8; I74; I74.5; I74.8; I74.9; I77.0; I77.1; I77.2; I77.3; I77.4; I77.5; I77.6; I77.8;
Indicação Doenças ateromatosas, inflamatórias, disgenesias, traumáticas que alteram a integridade da artéria, podendo ser estenoses ou oclusões, dilatações aneurismáticas e presença de fístulas ou roturas arteriais.
Caráter da Indicação Eletiva Sim Urgência Sim
Contra-Indicação Sem condições clínicas do tratamento
Exames da Indicação US Doppler, Tomografia, Ressonância ou Angiografia
Códigos TUSS Descrição Código
Derivação cavo-atrial 3.09.05.05-2
Aneurisma de artérias viscerais 3.09.06.04-0
Aneurismas – outros 3.09.06.07-5
Aneurismas torácicos ou tóraco-abdominais – correção cirúrgica 3.09.06.08-3
Artéria hipogástrica – unilateral – qualquer técnica 3.09.06.12-1
Artéria mesentérica inferior – qualquer técnica 3.09.06.13-0
Artéria mesentérica superior – qualquer técnica 3.09.06.14-8
Artéria renal bilateral revascularização 3.09.06.15-6
Pontes aorto-cervicais ou endarterectomias dos troncos supra-aórticos 3.09.06.34-2
Tronco celíaco – qualquer técnica 3.09.06.46-6
Aneurismas rotos ou trombosados de artérias viscerais 30910048
  Aneurismas rotos ou trombosados – outros 30910021
  Exploração vascular em traumas torácicos e abdominais 30910102
  Lesões vasculares intra-abdominais SIM 30910137
  Lesões vasculares traumáticas intratorácicas 30910145
OPMEs Descrição Quantidade
Prótese vascular – material: Dacron ou PTFE (simples ou com suporte externo) reta 1 por segmento tratado
Cateter de embolectomia (Fogarty) 1 a 2
Material sob justificativa
Shunt temporário intra-arterial Sob justificativa
Internação Dias UTI 1 a 2 dias Quarto 2 a 5 dias
Anestesia Sim X Não
Equipamentos Especiais Aparelho de autotransfusão (tipo cellsaver), cobertor/colchão térmico
Resolutividade Sobrevida de 30 dias maior que  90% nos procedimentos eletivos
Seguimento Anual se assintomático
Rastreabilidade Sim
Comentários Vigilância simples e com baixa frequência pós procedimento. Baixa necessidade de reintervenções.
Ir ao Topo