COMPARAÇÃO DAS MEDICAÇÕES FLEBOTÔNICAS PARA OS PACIENTES PORTADORES DE INSUFICIÊNCIA VENOSA CRÔNICA. UM ESTUDO DUPLO-CEGO, RANDOMIZADO E CONTROLADO POR PLACEBO

Autores: Sergio Belczak, Igor Rafael Sincos, Gilberto Nering, Nino Behar, Emanuele Lima Villela, Valter Campos, Caio Azevedo, Thiago José Cavaquini, Luiz Felipe Slavo e Ricardo Aun

Instituição: Serviço de Cirurgia Vascular do Hospital Geral de Carapicuíba – OSS São Camilo
Introdução: A compreensão da fisiopatologia da insuficiência venosa crônica (IVC) sugere que os efeitos das medicações flebotônicas podem ser eficazes no alívio dos sintomas e no retardo da progressão da doença. Há poucos estudos comparando diversas medicações flebotônicas entre si e com o placebo, avaliando conjuntamente sinais objetivos como a pletismografia à água e a amplitude de movimento da articulação tibio-társica (ATT) com dados relatados dos pacientes em relação à qualidade de vida.

Objetivos: Objetivamos, com este estudo, comparar os efeitos de diferentes medicações flebotônicas na qualidade de vida, na redução volumétrica dos membros e no aumento na amplitude de movimento da ATT.

Método: 136 portadores de IVC (CEAP 2-5) foram divididos cegamente em quatro grupos distintos, de acordo com a terapia medicamentosa instituída: Diosmina e Hisperidina micronizada, Aminoftona, Cumarina – Toxerutina e placebo (amido). Os pacientes foram submetidos a um questionário, preenchendo um índice específico para qualidade de vida (IQV) em pacientes portadores de IVC, e foram submetidos à realização de goniometria da ATT e a pletismografia à água do membro, antes e 30 dias após a intervenção medicamentosa.

Resultados: Nove pacientes abandonaram o estudo. Os dados coletados com os 127 pacientes remanescentes foram submetidos à análise estatística. Não houve diferença nas medidas da amplitude de movimento da articulação tibio-társica. Reduções volumétricas iguais ou maiores a 100 ml foram mais frequentemente observadas no grupo Diosmina-hisperidina que para os demais grupos. As pontuações totais do IQV foram menores para o grupo Aminoftona que para os demais grupos e diferenças entre os grupos foram encontradas analisando isoladamente os itens do IQV.

Conclusões: Medicações flebotônicas apresentaram resultados estatisticamente significativos na melhora do IQV quando comparadas ao placebo, e podem ser eficazes no alívio dos sintomas e no retardo da progressão da IVC.

Comentador: Dr. Rogério Neser