Autores: Sidnei José Galego, Daniel Santos Costa, Keller da Silva Santos, Leonardo Cardoso Bringel de Olinda, Marina Raphe Matar e João Antônio Correa

Instituição: Faculdade de Medicina do ABC

Objetivo: Demonstrar a experiência de um serviço de cirurgia vascular com o uso da técnica PEVAR.

Material e método: Trata-se de um estudo transversal retrospectivo, que incluiu todos os pacientes consecutivos tratados com PEVAR para aneurismas torácicos descendentes, aneurismas toracoabdominais da aorta, aneurismas pararrenais ou aneurismas da aorta abdominal infrarrenal entre janeiro de 2016 e dezembro de 2017, sendo 16 EVAR e 10 TEVAR. As próteses utilizadas foram 11 Gore, 1 Ovation, 4 Talent for EVAR e 8 Gore e 2 Medtronic para o TEVAR.
A técnica de fechamento percutâneo para todos os acessos vasculares percutâneos foi realizada sob orientação ultrassonográfica em nossa enfermaria. Isso permite que o AFC seja puncionada acima da bifurcação femoral e evitar punção no ponto de calcificação.
As bainhas variaram de 12 a 24 Fr. O dispositivo utilizado nestes procedimentos foi Perclose Proglide da Abbot. (108 dispositivos).
Sucesso técnico foi definido pelo término bem-sucedido do procedimento, sem evidência de sangramento persistente ou isquemia arterial que necessitasse de conversão imediata para reparo da artéria femoral aberta.

Resultados: A taxa de sucesso técnico foi de 92,3%, com resultado positivo em 24 casos e necessidade de duas conversões cirúrgicas. Dos 108 dispositivos Abblet’s Perclose Proglide utilizados, houve quatro falhas (96,3% de sucesso).
As complicações ocorreram em três casos (11,5%), um caso de hematoma maior, um caso de isquemia de membro e um caso de pseudoaneurisma.

Conclusão: Nessa experiência inicial, o método de abordagem percutânea nessa instituição foi eficaz e com baixo índice de complicações. Há necessidade de um maior número de casos para comprovar esses resultados iniciais.

Moderador: Dr. Vinicius Bertoldi