Autores: Leandro Pablos Rossetti e Ana Terezinha Guillaumon

Instituição: Faculdade de Ciências Médicas – UNICAMP

Resumo: Aneurisma de Aorta Abdominal (AAA) é uma dilatação localizada da Aorta, tendo como possibilidade de escolha a técnica endovascular (EVAR) para seu tratamento. O seguimento pós EVAR é crítico. O objetivo foi avaliar as características demográfi cas e complicações tardias dos doentes submetidos ao EVAR na UNICAMP nos últimos cinco anos. Foi realizado um estudo retrospectivo com análise de dados obtidos em prontuários entre os períodos de agosto/12 até março/17. Foram avaliados 131 pacientes, sendo 83,9% do sexo masculino, 84,7% hipertensos, 63,3% tabagistas e 34,3% apresentavam dislipidemia. A média de intervalo de seguimento foi entre um a três anos (49,5%). A mortalidade no período avaliado foi de 13%, sendo 64% relacionada ao AAA, eventos cardíacos e respiratórios as principais causas. 17,6% apresentaram endoleak após EVAR, sendo o tipo II o mais frequente (47,8%). 25 (19,2%) pacientes necessitaram de reintervenção. A trombose de ramo da endoprótese foi a principal causa de novo procedimento (36%). Seguimento foi realizado com angiotomografi a ou EcoDoppler, observando-se uma redução do diâmetro do aneurisma em apenas 31,5%. O procedimento endovascular está associado a menor complicação perioperatória e morbimortalidade. Entretanto, há a necessidade de acompanhamento com imagem para reintervenções quando necessárias.

Moderador: Dr. Andre Echaime V. Estenssoro