TRATAMENTO DO TROMBOEMBOLISMO VENOSO SINTOMÁTICO COM RIVAROXABANA EM 400 PACIENTES COM CÂNCER ATIVO

Autores: Bruno Soriano Pignataro, Kenji Nishinari, Rafael Noronha Cavalcante, Guilherme Centofanti, Guilherme Yazbek, Mariana Krut- man, Guilherme Andre Zotelle Bomfim, Igor Yoshio Imagawa Fonseca, Marcelo Passos Teivelis, Nelson Wolosker, Solange Moraes Sanches e Eduardo Ramacciotti.

Instituição: A.C. Camargo Câncer Center

Objetivo: Estudar a segurança e eficácia do rivaroxabana, um inibidor direto da coagulação, no uso em pacientes com trombose venosa profunda (TVP) em atividade.

Pacientes e métodos: Estudo retrospectivo, com 400 pacientes que

possuem câncer ativo e TVP associado, definidos como trombose venosa profunda ou embolia pulmonar. Este estudo unicêntrico foi desenvolvido de janeiro de 2012 até junho de 2015. O foco foi determinar a eficácia e segurança, avaliando a incidência de recorrências de TVP e sangramento maior no tratamento de rivaroxabana.

Resultados: Dos 400 pacientes estudados, 223 (55,8%) eram mulheres. Um total de 362 (90,5%) dos pacientes tinham tumores sólidos, e 244 (61%) tinham doença metastática. Quanto ao tratamento, 302 (75,5%) pacientes receberam terapia parenteral, inicialmente com enoxarapina (mediana: 3, média de 5,6 e desvio padrão [DP]: 6,4 dias), seguido de rivaroxabana. Noventa e oito pacientes (24,5%) foram tratados com ri- varoxabana. As taxas de recorrências foram de 3,25%, com sangramento maior acometendo 5,5% durante a terapia anticoagulante (mediana: 118, média: 164,9, DP: 159,9 dias).

Conclusão: Rivaroxabana pode ser uma alternativa atrativa para o tra- tamento de trombose em pacientes com câncer.

Comentador: Dr. Adilson Paschôa