TRATAMENTO ENDOVASCULAR

Sala de procedimentos endovasculares com equipamento de raio-X em arco em C digital

Figura 1

Sala de procedimentos endovasculares com equipamento de raio-X em arco em C digital

Há vários problemas da circulação do ser humano que necessitam de procedimentos cirúrgicos, tais como as tromboses, dilatações, dissecções (descolamento das camadas da parede dos vasos sanguíneos).
Habitualmente, esses procedimentos eram realizados por meio de cirurgias abertas, ou seja, com a realização de cortes e exposição de várias estruturas, como músculos, vísceras, entre outros.
Atualmente, com técnicas de correção menos invasivas, pode-se conseguir os mesmos resultados das cirurgias convencionais.
O tratamento endovascular consiste em uma técnica de abordagem dos vasos sanguíneos de modo bem menos agressivo (invasivo), pois o princípio básico é a introdução de cateteres e dispositivos (cateterismo) nos mais diferentes vasos de nosso corpo, acompanhada por equipamento que possa gerar imagem em tempo real de todo o procedimento.
Normalmente utiliza-se de sistema de raio-X, com “softwares”, que evidenciam o local e tipo de lesão do aparelho circulatório a ser examinado e/ou tratado.

O cateterismo, portanto, não é apenas o cateterismo cardíaco, e sim a introdução de cateteres em todos os territórios vasculares do corpo humano. O material utilizado, diferentemente das técnicas convencionais de cirurgias (bisturi, pinças, fios de sutura, etc.) são por meio de cateteres, fios-guia, introdutores, stents, endopróteses, etc.

Material

  • Introdutores

Dispositivos utilizados para a colocação dos cateteres e materiais para o efetivo tratamento das lesões vasculares.

Sala de procedimentos endovasculares com equipamento de raio-X em arco em C digital

Figura 2

Conjunto do Introdutor - agulha, fio-guia, dilatador e introdutor

  • Fios-guias

Estes fios são colocados interiormente pelos vasos sanguíneos para que possam levar um cateter ou um dispositivo no local alterado do sistema circulatório.

  • Cateteres

São pequenos tubos com curvas e comprimentos adequados para injetar contraste e descobrir lesões do aparelho circulatório, ou tratá-las, quando necessário.

Cateteres com diferentes curvas, para diferentes vasos sanguíneos

Figura 3

Cateteres com diferentes curvas, para diferentes vasos sanguíneos

Figura 1. Sala de procedimentos endovasculares com equipamento de raio-X em arco em C digital

Figura 4

Balão de angioplastia ocluído e insuflado

  • Balões 

Tubos com balões em suas extremidades, que são utilizados para abrir lesões oclusivas ou que causam estreitamento no interior dos vasos.  Servem ainda para acomodação de dispositivos (endopróteses) que possam ser necessários nos procedimentos endovasculares.

  • Stents

São artefatos, na maioria das vezes metálicos, que servem para manter a abertura do interior do vaso e evitar descolamentos de fragmentos de placas de gordura. Podem ser revestidos por tecidos plásticos ou sintéticos, para isolar externamente um aneurisma. 

Figura 1. Sala de procedimentos endovasculares com equipamento de raio-X em arco em C digital

Figura 5

Exemplo de stent

  • Seringas insufladoras

São seringas semelhantes às seringas de administração de medicamentos, porém possuem uma grande capacidade de gerar pressão, levando a insuflação e manutenção de pressão no balão de angioplastia para abrir ou fragmentar a placa de ateroma.

  • Materiais de embolização 

Constitui-se de vários artefatos que são introduzidos para levar a oclusão dos vasos. São exemplos molas, micropartículas, polímeros plásticos e colas.

Agentes Oclusores

Figura 6

Exemplos de agentes oclusores – partículas (E) e molas (D)

Indicações de Tratamento Endovascular

  • Tromboses

A formação de coágulos dentro dos vasos sanguíneos pode se dar no território venoso (tromboses venosas profundas) e no território arterial, que são vasos sanguíneos que levam o sangue oxigenado para todos os órgãos.

As tromboses, que ocluem os vasos, levam à falta de circulação no cérebro, membros e órgãos internos como pulmões, rins, etc. Nos casos onde há risco de perda de extremidades e infartos de órgãos internos, o tratamento endovascular pode transpor essas obstruções ou promover a retirada desses trombos com apenas uma punção e colocação de cateteres e dispositivos à distância, como balões de angioplastia associados a stents. Tais dispositivos podem ser implantados com orifícios de cerca de 2 a 4 mm , sem, portanto, a necessidade de realizações de grandes incisões.

TVP

Figura 7

Exemplo de abordagem endovascular de trombose venosa profunda de veia femoral, pré e pós-tratamento

  • Dilatações dos vasos – Aneurismas

As dilatações localizadas nos vasos são chamadas de aneurismas. O tratamento endovascular diminui muito os efeitos adversos que, comumente, surgem com a cirurgia convencional, como perda sanguínea, distúrbios ventilatórios e metabólicos.

Por meio de pequenas incisões e exposição dos vasos da virilha (região inguinal), ou mesmo de punções (técnica percutânea), pode-se tratar lesões dilatadas com colocação de stents (malhas metálicas) revestidos com material de tecido (Dacron) ou mesmo plástico (PTFE).

Figura 1. Sala de procedimentos endovasculares com equipamento de raio-X em arco em C digital

Figura 8

Endoprótese para tratamento de aneurisma de aorta abdominal

Sangramentos e malformação vascular 

Muitas vezes, sangramentos internos, de diferentes causas, quando tratados de modo convencional, podem levar a uma série de complicações no período pós-operatório. Na cirurgia endovascular pode-se realizar uma oclusão do vaso que encontra-se aberto levando a perda de sangue. Por meio de microcateteres, pode-se realizar a oclusão do vaso responsável pelo sangramento. Para tanto, utiliza-se micropartículas de material plástico, polímeros plásticos, colas e material metálico como molas.  

Sangramento digestivo identificado pela angiografia digital (seta)

Figura 9

Sangramento digestivo identificado pela angiografia digital (seta)

Pós-embolização - sem evidência de sangramento

Figura 10

Pós-embolização - sem evidência de sangramento

Tumores

Alguns tumores benignos, como o mioma uterino, e o aumento da próstata (Hiperplasia prostática benigna) podem ser embolizados (ocluídos) por esta técnica.

Tumores malignos, como o Hepatocarcinoma (câncer de fígado), podem ser tratados de modo endovascular . 

Exemplo de embolização de mioma uterino, pré e pós, em diferentes pacientes

Figura 11

Exemplo de embolização de mioma uterino, pré e pós, em diferentes pacientes

  • Aterosclerose obstrutiva periférica, carotídea ou de vísceras  

A doença arterial obstrutiva periférica (DAOP) pode ser tratada deste modo, com cateteres e dispositivos que rompem a placa de ateroma  (depósitos de gordura com endurecimento, chamados de calcificação da gordura), por meio de angioplastia com balões de tamanhos variados, que são insuflados com alta pressão. Muitas vezes são utilizados balões com medicamentos e colocação adicional de estruturas metálicas (stents). Figura 5

A doença obstrutiva das artérias carótidas também podem ser tratadas de modo semelhante, entretanto, deve-se, nesses casos, utilizar-se de dispositivos que evitem que fragmentos de gordura se desprendam para o cérebro.  

Exemplo de embolização de mioma uterino, pré e pós, em diferentes pacientes

Figura 12

Angioplastia de carótida

De um modo geral, o tratamento endovascular promove o tratamento da grande maioria das alterações de todo o aparelho circulatório, das artérias e veias, com eficácia equivalente ao tratamento realizado com as cirurgias convencionais (pontes de safena, abertura de vasos sanguíneos e retirada direta de lesões ateromatosas, etc.)  e com segurança, pois podem oferecer a estes pacientes mais resultados com técnicas menos invasivas. 

Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular – Regional São Paulo – Departamentos e Comissões
https://sbacvsp.com.br/departamentos-e-comissoes/

Doenças Vasculares

  • Aneurisma de Aorta

Aneurisma da Aorta

Aneurisma da Aorta Aneurisma é uma palavra derivada do grego que significa alargamento, sendo utilizada em medicina para designar uma dilatação permanente do diâmetro de um vaso do organismo. Considera-se [...]

  • Esquema da cadeia simpática dentro do tórax

Hiperidrose

Hiperidrose Hiperidrose é uma doença em que os pacientes suam excessivamente, mais do que as necessidades naturais do corpo. Não é conhecido o mecanismo que causa este excesso de suor nem [...]

  • Varizes

Varizes

Varizes São as diversas formas como os profissionais de saúde conseguem obter acesso ao nosso sistema circulatório. Usados há muito tempo na Medicina, eles vêm evoluindo juntamente com ela, não [...]

Úlcera Venosa

Úlcera Venosa A úlcera venosa (também conhecida como úlcera varicosa) é caracterizada por uma ferida na perna, próxima ao tornozelo, que ocorre devido à dificuldade do retorno do sangue das [...]

  • Figura 1 - Compressão de veia renal esquerda pela artéria mesentérica superior (A) e pela aorta, em veia renal retro-aórtica (B).

Síndromes Venosas Obstrutivas Abdominopélvicas

Síndromes Venosas Obstrutivas Abdominopélvicas Síndrome de Nutcraker (ou de Quebra-Nozes), Síndrome de May-Thurner, Síndrome de Cockett As Síndromes Venosas Obstrutivas são sinais e sintomas clínicos relacionados a impedimentos ou obstruções ao [...]

Lipedema

Lipedema O que é? O lipedema é uma doença crônica e progressiva caracterizada pela deposição anormal de gordura em membros inferiores e, às vezes, pode acometer membros superiores. Atinge quase que [...]

  • Lipedema

Linfedema

Linfedema O sistema linfático é considerado, por muitos fisiologistas, como uma via de absorção e transporte, pela  qual, o conteúdo líquido presente no espaço intersticial (entre as células), da grande [...]

  • Laser Transdérmico

Fleboestética

Fleboestética Palavra derivada do grego: phlebos = veia, vaso sanguíneo e aisthesis = ”apreensão pelos sentidos” e “percepção”. Essa é a área da Angiologia e Cirurgia Vascular que se dedica ao tratamento [...]

Embolia Pulmonar

Embolia Pulmonar Ocorre quando um trombo (coágulo) se desloca de veias profundas, geralmente dos membros inferiores, e vai pela corrente sanguínea até o pulmão, causando o bloqueio (embolia) de artérias pulmonares. [...]

Curativos

Curativos Na pré-história, existia uma preocupação com as feridas, e o fato de deixá-las abertas, materiais como plantas, água, neve, gelo, frutas e até lama eram utilizados sobre as feridas, a [...]

  • Figura 1 - Aneurismas Viscerais

Aneurismas Viscerais e Periféricos

Aneurismas Viscerais Aneurismas viscerais são dilatações das artérias que levam sangue para as vísceras, ou seja, artérias dos rins, do fígado, do baço, do intestino, entre outras. São aneurismas nas artérias [...]

  • Aneurisma de aorta abdominal

Aneurisma da Aorta Abdominal (AAA)

Aneurisma da Aorta Abdominal (AAA) Aneurisma é uma palavra derivada do grego que significa alargamento, sendo utilizada em medicina para designar uma dilatação permanente de um vaso do organismo. Considera-se [...]

  • URGÊNCIAS:EMERGÊNCIAS VASCULARES

Urgências / Emergências Vasculares

Urgências / Emergências Vasculares O sistema vascular assume papel primordial na distribuição de sangue, oxigênio e nutrientes para todos os órgãos e sistemas de nosso corpo. Possuímos aproximadamente 5 [...]

Doppler Vascular

ACESSOS VASCULARES DOPPLER VASCULAR O QUE É? Compreende uma série de exames diagnósticos utilizando um aparelho de ultrassonografia. É indolor, não invasivo, sem necessidade de exposição à radiação (raio-X). [...]

Tratamento Endovascular

TRATAMENTO ENDOVASCULAR Há vários problemas da circulação do ser humano que necessitam de procedimentos cirúrgicos, tais como as tromboses, dilatações, dissecções (descolamento das camadas da parede dos vasos sanguíneos). [...]

  • Fig 1 – Tipos de mioma

Embolização de Mioma Uterino

EMBOLIZAÇÃO DE MIOMA UTERINO O que é? (Definição) Os miomas são tumores benignos que se desenvolvem geralmente a partir da produção de estrogênio. Estatísticas revelam que até 50% das mulheres têm [...]

  • Cateteres Venosos

Cateteres Venosos

CATETERES VENOSOS O QUE É UM CATETER? É um tubo que é colocado dentro da veia do paciente para administrar líquidos, sangue, medicamentos ou para fazer exames médicos. QUAIS OS TIPOS [...]

Fístula Arteriovenosa para Hemodiálise

FÍSTULA ARTERIOVENOSA PARA HEMODIÁLISE A fístula arteriovenosa (FAV) é realizada nos pacientes portadores de doença renal crônica, ou seja, quando a função renal se deteriora e não efetua adequadamente a eliminação [...]

Acessos Vasculares

ACESSOS VASCULARES São as diversas formas como os profissionais de saúde conseguem obter acesso ao nosso sistema circulatório. Usados há muito tempo na Medicina, eles vêm evoluindo juntamente com ela, [...]

Trombose Venosa Profunda (TVP)

Trombose Venosa Profunda (TVP) A coagulação é um processo da natureza, quando o sangue deixa sua forma líquida e se torna gelatinoso (chamado de coágulo ou trombo). A coagulação faz [...]

  • pe-diabetico

Pé Diabético

Pé Diabético O diabetes é causado pela produção insuficiente de insulina no pâncreas, ou por aumento da resistência dos órgãos a este hormônio, que é essencial para que o açúcar [...]

Doença Carotídea

Estenose de Carótida As carótidas são artérias que levam sangue rico em oxigênio e nutrientes para o cérebro. Cada indivíduo tem duas artérias carótidas, que se localizam uma de [...]