Trombose Venosa Profunda (TVP)

Trombose Venosa Profunda TVP

A coagulação é um processo da natureza, quando o sangue deixa sua forma líquida e se torna gelatinoso (chamado de coágulo ou trombo). A coagulação faz parte do equilíbrio do nosso corpo e não é necessariamente algo ruim, muito pelo contrário. A coagulação de vasos sangrantes, mediada pela natureza, evita hemorragias decorrentes de trauma ou de situações comuns como a menstruação e o parto. No entanto, em certas situações, a coagulação pode ocorrer desproporcionalmente, provocando a trombose.

A trombose venosa profunda (TVP) é um destes fenômenos, estando também entre os mais frequentes. Significa que houve formação de coágulo dentro de veias profundas, mais comumente nas pernas. Este coágulo dificulta ou impede o retorno do sangue em direção ao coração, podendo provocar desde quadros leves a situações mais graves. Como pode ser consultado em outro texto sobre “Embolia Pulmonar”, o desprendimento de um fragmento do coágulo pode “viajar” nas veias na forma de um êmbolo e ocluir artérias responsáveis pela circulação que alimenta os pulmões. Essa manifestação da trombose  distância pode ser leve, sem sintomas, ou dramática e até fatal.

POR QUE OCORRE A TROMBOSE VENOSA PROFUNDA ?

Existem causas principais para a formação do trombo:

Estase sanguínea: diminuição da velocidade da circulação do sangue nas veias.

Lesão do vaso: o vaso normal possui paredes internas lisas (endotélio), por onde o sangue passa sem coagular. Lesões nesta parede interna desencadeiam reações, que podem formar o trombo

Hipercoagulabilidade: situações genéticas ou decorrentes de doenças graves tornam o sangue mais suscetível à formação de coágulos.

A coexistência de pelo menos dois fatores mencionados acima é comum e, desse modo, fica mais fácil compreender como a formação de coágulos indesejáveis é frequente.

FATORES DE RISCO

Muito embora a trombose venosa possa acontecer sem explicação em cerca de quase metade dos pacientes, existem fatores que contribuem para o seu aparecimento:

  • Predisposição genética (trombofilias genéticas)
  • Idade acima de 40 anos
  • Gravidez e período após o parto.
  • Câncer, obesidade, tabagismo
  • Uso de anticoncepcionais e reposição hormonal.
  • Infecções, doenças cardíacas e pulmonares graves
  • Alteração de fatores de coagulação 
  • Traumatismos (fraturas, hemorragia interna)
  • Redução da mobilidade (pela imobilização de um membro por fratura, entorse, etc.)
  • Pacientes acamados
  • Cirurgias de longa duração
  • Viagens na posição sentada por mais de 6 horas
  • Varizes e suas complicações
  • História familiar de trombose
  • Síndrome antifosfolípide (trombofilia adquirida)

QUADRO CLÍNICO

Dependendo da localização, extensão do coágulo, A trombose venosa pode passar desapercebida ou provocar muito desconforto. Os principais sinais e sintomas são:

  • Dor.
  • Inchaço (, geralmente em apenas uma das pernas).
  • Alteração da coloração (o membro pode ficar mais arroxeado).
  • Rigidez da musculatura, especialmente da “barriga” da perna (panturrilha).

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico pode ser apenas clínico, fruto do exame do médico, mas, de modo geral, exige a confirmação com um exame de imagem. O ultrassom vascular (Doppler) é o exame não invasivo mais apropriado para confirmar a presença e localização do trombo. Felizmente, hoje em dia, é um exame bastante disponível em clínicas e hospitais e existem muitos médicos especialistas no manejo do aparelho. As vantagens deste método, que não invade o paciente, são eliminar o risco de complicações decorrentes das punções dos vasos e permitir a repetição do exame quantas vezes forem necessárias. 

TRATAMENTO

O objetivo do tratamento da trombose venosa profunda é evitar a progressão ou surgimento de novos trombos. Também auxilia o organismo a reabsorver os trombos com o passar do tempo. Para tanto, são administradas medicações anticoagulantes, que são substâncias que agem de diferentes formas, inibindo os fatores de coagulação. A maior parte dos pacientes se beneficia com o tratamento medicamentoso, que deve ser iniciado tão logo seja feito o diagnóstico e administrado por no mínimo três meses.

Em algumas situações extremas podem ser administrados medicamentos que agem diretamente dissolvendo os coágulos, chamados fibrinolíticos. O uso desses fármacos exige muito critério e experiência dos médicos responsáveis, uma vez que pode  desencadear complicações graves, pelo maior risco de sangramento. 

Raramente há indicação cirúrgica para remoção dos coágulos. Nessas mesmas situações mais dramáticas, existem tratamentos invasivos com dispositivos que aspiram ou fragmentam os trombos, provocando uma melhora mais rápida. Todavia, pelo custo e pelos riscos, essas alternativas são reservadas para situações especiais e de maior gravidade.

COMPLICAÇÕES

Embolia Pulmonar

Quando um trombo que se solta da parede do vaso e passa a ser chamado de êmbolo, ou seja, quando “viaja” na circulação até as artérias pulmonares. Recomendamos a leitura do texto específico.

Síndrome pós-trombótica

Conjunto de manifestações clínicas nas pernas que acontece a médio ou longo prazo, devido aos trombos que não se dissolveram ou que provocaram lesão da parede interna da veia, destruindo as válvulas de contenção. Em fases mais avançadas pode apresentar escurecimento da pele, coceira e formação de úlceras venosas de difícil tratamento. É importante salientar que essas modificações são observadas na região mais baixa das pernas, próxima aos pés. Para esses pacientes uma meia de compressão graduada (meia elástica) pode ser muito útil. Consulte sempre um especialista para prestar maiores esclarecimentos e orientações adequadas.

Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular – Regional São Paulo – Departamentos e Comissões
https://sbacvsp.com.br/departamentos-e-comissoes/

A coagulação é um processo da natureza, quando o sangue deixa sua forma líquida e se torna gelatinoso (chamado de coágulo ou trombo). A coagulação faz parte do equilíbrio do nosso corpo e não é necessariamente algo ruim, muito pelo contrário. A coagulação de vasos sangrantes, mediada pela natureza, evita hemorragias decorrentes de trauma ou de situações comuns como a menstruação e o parto. No entanto, em certas situações, a coagulação pode ocorrer desproporcionalmente, provocando a trombose.  

A trombose venosa profunda (TVP) é um destes fenômenos, estando também entre os mais frequentes. Significa que houve formação de coágulo dentro de veias profundas, mais comumente nas pernas. Este coágulo dificulta ou impede o retorno do sangue em direção ao coração, podendo provocar desde quadros leves a situações mais graves. Como pode ser consultado em outro texto sobre “Embolia Pulmonar”, o desprendimento de um fragmento do coágulo pode “viajar” nas veias na forma de um êmbolo e ocluir artérias responsáveis pela circulação que alimenta os pulmões. Essa manifestação da trombose  distância pode ser leve, sem sintomas, ou dramática e até fatal.

POR QUE OCORRE A TROMBOSE VENOSA PROFUNDA ?

Existem causas principais para a formação do trombo:

Estase sanguínea: diminuição da velocidade da circulação do sangue nas veias.

Lesão do vaso: o vaso normal possui paredes internas lisas (endotélio), por onde o sangue passa sem coagular. Lesões nesta parede interna desencadeiam reações, que podem formar o trombo

Hipercoagulabilidade: situações genéticas ou decorrentes de doenças graves tornam o sangue mais suscetível à formação de coágulos.

A coexistência de pelo menos dois fatores mencionados acima é comum e, desse modo, fica mais fácil compreender como a formação de coágulos indesejáveis é frequente.

FATORES DE RISCO

Muito embora a trombose venosa possa acontecer sem explicação em cerca de quase metade dos pacientes, existem fatores que contribuem para o seu aparecimento:

  • Predisposição genética (trombofilias genéticas)
  • Idade acima de 40 anos
  • Gravidez e período após o parto.
  • Câncer, obesidade, tabagismo
  • Uso de anticoncepcionais e reposição hormonal.
  • Infecções, doenças cardíacas e pulmonares graves
  • Alteração de fatores de coagulação 
  • Traumatismos (fraturas, hemorragia interna)
  • Redução da mobilidade (pela imobilização de um membro por fratura, entorse, etc.)
  • Pacientes acamados
  • Cirurgias de longa duração
  • Viagens na posição sentada por mais de 6 horas
  • Varizes e suas complicações
  • História familiar de trombose
  • Síndrome antifosfolípide (trombofilia adquirida)

QUADRO CLÍNICO

Dependendo da localização, extensão do coágulo, A trombose venosa pode passar desapercebida ou provocar muito desconforto. Os principais sinais e sintomas são:

  • Dor.
  • Inchaço (, geralmente em apenas uma das pernas).
  • Alteração da coloração (o membro pode ficar mais arroxeado).
  • Rigidez da musculatura, especialmente da “barriga” da perna (panturrilha).

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico pode ser apenas clínico, fruto do exame do médico, mas, de modo geral, exige a confirmação com um exame de imagem. O ultrassom vascular (Doppler) é o exame não invasivo mais apropriado para confirmar a presença e localização do trombo. Felizmente, hoje em dia, é um exame bastante disponível em clínicas e hospitais e existem muitos médicos especialistas no manejo do aparelho. As vantagens deste método, que não invade o paciente, são eliminar o risco de complicações decorrentes das punções dos vasos e permitir a repetição do exame quantas vezes forem necessárias. 

TRATAMENTO

O objetivo do tratamento da trombose venosa profunda é evitar a progressão ou surgimento de novos trombos. Também auxilia o organismo a reabsorver os trombos com o passar do tempo. Para tanto, são administradas medicações anticoagulantes, que são substâncias que agem de diferentes formas, inibindo os fatores de coagulação. A maior parte dos pacientes se beneficia com o tratamento medicamentoso, que deve ser iniciado tão logo seja feito o diagnóstico e administrado por no mínimo três meses.

Em algumas situações extremas podem ser administrados medicamentos que agem diretamente dissolvendo os coágulos, chamados fibrinolíticos. O uso desses fármacos exige muito critério e experiência dos médicos responsáveis, uma vez que pode  desencadear complicações graves, pelo maior risco de sangramento. 

Raramente há indicação cirúrgica para remoção dos coágulos. Nessas mesmas situações mais dramáticas, existem tratamentos invasivos com dispositivos que aspiram ou fragmentam os trombos, provocando uma melhora mais rápida. Todavia, pelo custo e pelos riscos, essas alternativas são reservadas para situações especiais e de maior gravidade.

COMPLICAÇÕES

Embolia Pulmonar

Quando um trombo que se solta da parede do vaso e passa a ser chamado de êmbolo, ou seja, quando “viaja” na circulação até as artérias pulmonares. Recomendamos a leitura do texto específico.

Síndrome pós-trombótica

Conjunto de manifestações clínicas nas pernas que acontece a médio ou longo prazo, devido aos trombos que não se dissolveram ou que provocaram lesão da parede interna da veia, destruindo as válvulas de contenção. Em fases mais avançadas pode apresentar escurecimento da pele, coceira e formação de úlceras venosas de difícil tratamento. É importante salientar que essas modificações são observadas na região mais baixa das pernas, próxima aos pés. Para esses pacientes uma meia de compressão graduada (meia elástica) pode ser muito útil. Consulte sempre um especialista para prestar maiores esclarecimentos e orientações adequadas.

Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular – Regional São Paulo – Departamentos e Comissões
https://sbacvsp.com.br/departamentos-e-comissoes/

Doenças Vasculares

  • Aneurisma de Aorta

Aneurisma da Aorta

Aneurisma da Aorta Aneurisma é uma palavra derivada do grego que significa alargamento, sendo utilizada em medicina para designar uma dilatação permanente do diâmetro de um vaso do organismo. Considera-se [...]

  • Esquema da cadeia simpática dentro do tórax

Hiperidrose

Hiperidrose Hiperidrose é uma doença em que os pacientes suam excessivamente, mais do que as necessidades naturais do corpo. Não é conhecido o mecanismo que causa este excesso de suor nem [...]

  • Varizes

Varizes

Varizes São as diversas formas como os profissionais de saúde conseguem obter acesso ao nosso sistema circulatório. Usados há muito tempo na Medicina, eles vêm evoluindo juntamente com ela, não [...]

Úlcera Venosa

Úlcera Venosa A úlcera venosa (também conhecida como úlcera varicosa) é caracterizada por uma ferida na perna, próxima ao tornozelo, que ocorre devido à dificuldade do retorno do sangue das [...]

  • Figura 1 - Compressão de veia renal esquerda pela artéria mesentérica superior (A) e pela aorta, em veia renal retro-aórtica (B).

Síndromes Venosas Obstrutivas Abdominopélvicas

Síndromes Venosas Obstrutivas Abdominopélvicas Síndrome de Nutcraker (ou de Quebra-Nozes), Síndrome de May-Thurner, Síndrome de Cockett As Síndromes Venosas Obstrutivas são sinais e sintomas clínicos relacionados a impedimentos ou obstruções ao [...]

Lipedema

Lipedema O que é? O lipedema é uma doença crônica e progressiva caracterizada pela deposição anormal de gordura em membros inferiores e, às vezes, pode acometer membros superiores. Atinge quase que [...]

  • Lipedema

Linfedema

Linfedema O sistema linfático é considerado, por muitos fisiologistas, como uma via de absorção e transporte, pela  qual, o conteúdo líquido presente no espaço intersticial (entre as células), da grande [...]

  • Laser Transdérmico

Fleboestética

Fleboestética Palavra derivada do grego: phlebos = veia, vaso sanguíneo e aisthesis = ”apreensão pelos sentidos” e “percepção”. Essa é a área da Angiologia e Cirurgia Vascular que se dedica ao tratamento [...]

Embolia Pulmonar

Embolia Pulmonar Ocorre quando um trombo (coágulo) se desloca de veias profundas, geralmente dos membros inferiores, e vai pela corrente sanguínea até o pulmão, causando o bloqueio (embolia) de artérias pulmonares. [...]

Curativos

Curativos Na pré-história, existia uma preocupação com as feridas, e o fato de deixá-las abertas, materiais como plantas, água, neve, gelo, frutas e até lama eram utilizados sobre as feridas, a [...]

  • Figura 1 - Aneurismas Viscerais

Aneurismas Viscerais e Periféricos

Aneurismas Viscerais Aneurismas viscerais são dilatações das artérias que levam sangue para as vísceras, ou seja, artérias dos rins, do fígado, do baço, do intestino, entre outras. São aneurismas nas artérias [...]

  • Aneurisma de aorta abdominal

Aneurisma da Aorta Abdominal (AAA)

Aneurisma da Aorta Abdominal (AAA) Aneurisma é uma palavra derivada do grego que significa alargamento, sendo utilizada em medicina para designar uma dilatação permanente de um vaso do organismo. Considera-se [...]

  • URGÊNCIAS:EMERGÊNCIAS VASCULARES

Urgências / Emergências Vasculares

Urgências / Emergências Vasculares O sistema vascular assume papel primordial na distribuição de sangue, oxigênio e nutrientes para todos os órgãos e sistemas de nosso corpo. Possuímos aproximadamente 5 [...]

Doppler Vascular

ACESSOS VASCULARES DOPPLER VASCULAR O QUE É? Compreende uma série de exames diagnósticos utilizando um aparelho de ultrassonografia. É indolor, não invasivo, sem necessidade de exposição à radiação (raio-X). [...]

Tratamento Endovascular

TRATAMENTO ENDOVASCULAR Há vários problemas da circulação do ser humano que necessitam de procedimentos cirúrgicos, tais como as tromboses, dilatações, dissecções (descolamento das camadas da parede dos vasos sanguíneos). [...]

  • Fig 1 – Tipos de mioma

Embolização de Mioma Uterino

EMBOLIZAÇÃO DE MIOMA UTERINO O que é? (Definição) Os miomas são tumores benignos que se desenvolvem geralmente a partir da produção de estrogênio. Estatísticas revelam que até 50% das mulheres têm [...]

  • Cateteres Venosos

Cateteres Venosos

CATETERES VENOSOS O QUE É UM CATETER? É um tubo que é colocado dentro da veia do paciente para administrar líquidos, sangue, medicamentos ou para fazer exames médicos. QUAIS OS TIPOS [...]

Fístula Arteriovenosa para Hemodiálise

FÍSTULA ARTERIOVENOSA PARA HEMODIÁLISE A fístula arteriovenosa (FAV) é realizada nos pacientes portadores de doença renal crônica, ou seja, quando a função renal se deteriora e não efetua adequadamente a eliminação [...]

Acessos Vasculares

ACESSOS VASCULARES São as diversas formas como os profissionais de saúde conseguem obter acesso ao nosso sistema circulatório. Usados há muito tempo na Medicina, eles vêm evoluindo juntamente com ela, [...]

Trombose Venosa Profunda (TVP)

Trombose Venosa Profunda (TVP) A coagulação é um processo da natureza, quando o sangue deixa sua forma líquida e se torna gelatinoso (chamado de coágulo ou trombo). A coagulação faz [...]

  • pe-diabetico

Pé Diabético

Pé Diabético O diabetes é causado pela produção insuficiente de insulina no pâncreas, ou por aumento da resistência dos órgãos a este hormônio, que é essencial para que o açúcar [...]

Doença Carotídea

Estenose de Carótida As carótidas são artérias que levam sangue rico em oxigênio e nutrientes para o cérebro. Cada indivíduo tem duas artérias carótidas, que se localizam uma de [...]